Hang é condenado a pagar R$ 300 mil por críticas a OAB

Cotidiano

30 de junho de 2020 19:10

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Escolas estaduais entregam kits de merenda nesta sexta-feira

Paulo Eduardo Martins reafirma luta pelas privatizações

Simepar e Estado implantam programa ‘Sinais da Natureza’

Eleições: redes sociais reforçam ações contra fake news
Quase mil pessoas morreram por fake news sobre a covid-19
70% dos bares e restaurantes estão com as contas vencidas
Paraná incentiva participação de jovens na política brasileira
Empresário disse que Ordem era "uma vergonha" e que "está sempre do lado errado" Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Decisão da Justiça Federal de Florianópolis ocorre em virtude de publicação nas redes sociais por parte de dono da Havan

O empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, que conta com centenas de unidades espalhadas por todo o país, foi condenado a pagar uma indenização de danos morais coletivos para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no valor de R$ 300 mil. Hang foi condenado após um comentário considerado ofensivo nas redes sociais.

“A OAB é uma vergonha. Está sempre do lado errado. Quanto pior, melhor, vivem da desgraça alheia. Parecem porcos que se acostumaram a viver num chiqueiro, não sabem que podem viver na limpeza, na ética, na ordem e principalmente ajudar o Brasil. Só pensam no bolso deles, quanto vão ganhar com a desgraçado dos outros. Bando de abutres”, escreveu o empresário em 5 de janeiro de 2019 nas redes sociais Twitter e Instagram.

A decisão veio da 2ª Vara Federal de Florianópolis, expedida pelo juiz Leonardo Cacau Santos La Bradbury, estabelece que a publicação de Hang está “longe de constituir liberdade de expressão e de crítica”. Os valores serão destinados, informa a decisão, para custos de uma campanha publicitária que valorizará a advocacia.

Luciano Hang poderá recorrer desta decisão da 2ª Vara Federal de Florianópolis. Nas redes sociais, críticos e apoiadores do empresário, que constantemente tem seu nome ligado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partidos), manifestarem-se acerca da decisão.  

Com informações do site Metrópoles.

PUBLICIDADE

Recomendados