Inflação na saída das fábricas sobe de 0,11% para 1,22%

Cotidiano

01 de julho de 2020 10:20

Agência Brasil


Relacionadas

Tecnologia inovadora será usada no combate ao Covid-19

Criança de seis anos cai em piscina e morre afogada no PR

Polícia entra em confronto com manifestantes em Beirute

Projeto voluntário incentiva pessoas a praticarem esportes
Presidente do STF é internado em Brasília
Mesquita é iluminada em solidariedade ao povo libanês
Governo muda regras no Minha Casa, Minha Vida
Entre as quatro grandes categorias da indústria, a maior inflação foi observada entre os bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos usados no setor produtivo (3,08%). Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Índice é de 3,37% no ano e de 4,60% em 12 meses 

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede a inflação na saída das fábricas, ficou em 1,22% em maio deste ano. A taxa é maior que a registrada em abril (0,11%), mas menor que a de maio do ano passado: 1,39%.

O IPP acumula inflação de 3,37% no ano e de 4,60% em 12 meses. Os dados foram divulgados hoje (1o), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre as quatro grandes categorias da indústria, a maior  inflação foi observada entre os bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos usados no setor produtivo (3,08%).

Os bens intermediários - insumos industrializados usados no setor produtivo - tiveram alta de preços de 1%. Já entre os bens de consumo, a inflação foi de 1,58% entre os bens duráveis e de 1,04% entre os semi e não duráveis.

Entre as 24 atividades industriais pesquisadas, 16 tiveram alta de preços, com destaque para os alimentos (2,47%), indústrias extrativas (9,13%) e veículos automotores (1,80%). Das oito atividades com quedas de preços, o destaque ficou com o refino de petróleo e produtos de álcool (-5,78%). 

Informações Agência Brasil

PUBLICIDADE

Recomendados