Saúde adota medidas de segurança em frigoríficos

Cotidiano

03 de julho de 2020 12:20

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Porto de Paranaguá é referência em índice ambiental

Planos de saúde vão cobrir exames de detecção do covid

Policiais recebem medalha alusiva ao aniversário da PMPR

Senado aprova auxílio para trabalhadores do esporte
Caixa libera hoje auxílio para os nascidos em agosto
Paulo Guedes anuncia novos secretários especiais
Seguros tem queda de 3,5% no ano devido à pandemia
Somente no Paraná há aproximadamente 300 frigoríficos de diversos tamanhos e que empregam mais de 100 mil pessoas. Foto: Reprodução/ AEN
PUBLICIDADE

Objetivo é que todas as indústrias devem instituir um plano de contingência para prevenção, monitoramento e controle da transmissão do coronavírus

A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu medidas de prevenção e controle da transmissão do vírus causador da Covid-19 em indústrias de abate e processamento de carnes (Resolução nº 855/2020).

Somente no Paraná há aproximadamente 300 frigoríficos de diversos tamanhos e que empregam mais de 100 mil pessoas.

Entre as medidas publicadas na Resolução estão que todas as indústrias devem instituir um plano de contingência para prevenção, monitoramento e controle da transmissão do coronavírus. No plano devem constar ações a serem realizadas pelo Serviço Especializado em Engenharia e Segurança e em Medicina do Trabalho em articulação com a Vigilância Epidemiológica do município em que a planta industrial está instalada.

“Com essas medidas, o objetivo é aproximar as vigilâncias municipais das áreas de saúde do trabalhador, com vistas a uma apoiar a outra para um trabalho mais forte e robusto no enfrentamento a esta doença”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.  

No documento, publicado no dia 1º de julho no Diário Oficial, consta a indicação de cumprimento de normas do uso de equipamentos de proteção individuais, como as máscaras escudo (face shield), o afastamento dos trabalhadores durante a atividade laboral e a conduta a ser cumprida quando ocorrerem suspeitas ou casos confirmados.

Às empresas, a normativa determina que disponibilizem equipamentos de proteção e condições para que o trabalhador esteja seguro no ambiente laboral. Aos trabalhadores, a determinação é que use corretamente os equipamentos e avise sua chefia imediatamente caso apresente algum sintoma ou sinal compatível com a doença para que o rastreamento e o bloqueio sejam mais efetivos.

A Secretaria vem atuando desde o início da pandemia em parceria com os diversos setores da sociedade para mitigar os impactos. O Centro Estadual de Saúde do Trabalhador (Cest/Sesa) monitora as indústrias de abate e visitou presencialmente grandes plantas frigoríficas no Estado para auxiliar no mapeamento do risco e tomada de decisões para a construção de planos de contingência. Diversas reuniões com o setor também já foram feitas, de forma virtual, com a participação do secretário Beto Preto e da diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

PUBLICIDADE

Recomendados