Novo ciclone se aproxima do Paraná rapidamente

Cotidiano

06 de julho de 2020 13:14

Da Redação


Relacionadas

Câmeras de vídeo mostram acidente impactante no PR

1ªBPM entrega premiação aos vencedores de Concurso

Estado entrega novas viaturas no aniversário da PM

Ademar Traiano é reeleito como presidente da Alep
Webinar da Apras reúne mulheres empreendedoras
Pai mata filhos em acidente para não pagar pensão
Câmara deve votar auxílio ao transporte público na terça (11)
Evento que acontece uma semana depois do ciclone extratropical, deverá atingir o Paraná entre terça e quarta-feira Foto: Simepar
PUBLICIDADE

Passado o temporal, a previsão é de mais frio para o Paraná no fim da semana, com possibilidade de geada entre a quinta-feira (09) e a sexta-feira (10)


Uma semana depois de um ciclone extratropical atingir o Sul do País e trazer muitos estragos para o Paraná, o Estado fica novamente em alerta com a previsão de que o mesmo fenômeno se repita entre esta terça (07) e quarta-feira (08). Porém, desta vez os transtornos serão menores, já que o ciclone que se forma no Oceano Atlântico, entre o litoral do Rio Grande do Sul e o do Uruguai, é menos intenso, diz o Simepar.

“A frente fria atinge principalmente a metade Sul do Estado, desde o Litoral até a Região Oeste. A previsão para o Paraná é de chuvas moderadas nessas regiões, acompanhadas de raios e ventos entre 50 km/h e 60 km/h, talvez algumas rajadas mais fortes, mas sem chegar aos 100 km/h como na semana passada”, explica o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib.

Passado o temporal, a previsão é de mais frio para o Paraná no fim da semana, com possibilidade de geada entre a quinta-feira (09) e a sexta-feira (10) na Região Metropolitana de Curitiba e em outros municípios por onde a frente fria passar.

O QUE É – Os ciclones extratropicais são resultado de um sistema de baixa pressão atmosférica que se forma sobre o oceano e se aprofunda na superfície. O desta semana vem associado de duas frentes: uma fria, que atinge o Estado, e outra quente, que se desloca para o oceano. “Esses fenômenos acontecem todo ano e são mais fortes nesta época”, afirma Kneib.

ESTRAGOS – De acordo com a Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, o temporal de semana passada afetou aproximadamente 27 mil pessoas em 83 municípios. Uma pessoa morreu e 11 ficaram feridas. Cerca de 5,3 mil casas foram danificadas e 10 destruídas. A queda de árvores e postes na rede de energia também deixou cerca 1,8 milhão de pessoas sem luz, além de afetar o abastecimento de água.

Para não ser pega de surpresa com os eventos climáticos, a população do Paraná pode se cadastrar para receber os alertas meteorológicos da Defesa Civil. É só mandar uma mensagem de texto (SMS) com o CEP de sua residência para o número 40199. O cadastro é gratuito.

Defesa Civil leva telhas e kits de ajuda humanitária a Santa Lúcia

A Defesa Civil Estadual atuou rapidamente para minimizar os danos causados pelo temporal em Santa Lúcia, no Oeste paranaense. Com 60 casas, diversos prédios públicos e industriais danificados, 151 pessoas foram afetadas no município, que irá decretar situação de emergência. Para ajudar a população afetada, a Defesa Civil entregou mil telhas, 20 kits de higiene, 20 kits dormitório, 20 kits de limpeza e 20 cestas básicas.

Assim como Santa Lúcia, outros municípios afetados e estão sendo acompanhados 24 horas por dia pelo plantão e pelos analistas da Defesa Civil. “Nosso foco é buscar estratégias rápidas de atuação para auxiliar os municípios afetados pelos desastres, diminuindo o sofrimento das pessoas atingidas por esses eventos climáticos”, ressalta o coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Fernando Schunig.

Quando um evento como esse acontece, o município deve preencher registro e informação de ocorrência junto à Defesa Civil Estadual, que, por sua vez, busca alternativas de apoio tanto na parte documental, com a elaboração de decretos de situação de emergência e de calamidade pública, quanto no auxílio aos afetados.

 

PUBLICIDADE

Recomendados