Estados do Sul entram em alerta por risco de ciclone

Cotidiano

07 de julho de 2020 10:43

Rádio Agência Nacional


Relacionadas

WhatsApp ganha recurso de verificação de mensagem

Paraná já conta com R$ 200 milhões para compra de vacinas

Confiança do empresário sobe pelo terceiro mês seguido

Mourão manifesta preocupação com incêndios na Amazônia
Mercado acredita em redução da taxa Selic nesta semana
Divulgado calendário do auxílio emergencial de quem contestou
BNDES terá mais recursos para recuperação de resíduos sólidos
Se você estiver nas regiões afetadas pela tempestade, atenção. Procure abrigo em locais seguros. Evite áreas de risco e próximas a encostas. Foto: Reprodução/ Agência Brasil
PUBLICIDADE

O vento deve ser intenso, com velocidade entre 60 e 100 quilômetros por hora, e existe o risco de queda de granizo

Um novo sistema de baixa pressão, com tempestade, vento intenso e grande volume de chuva surgiu nessa segunda-feira (6) em Santa Catarina. Nesta terça (7), o fenômeno se desloca em direção ao oceano, passando pelos estados vizinhos. Por isso, o Inmet, Instituto Nacional de Meteorologia, declarou alerta laranja, de perigo, na região afetada.

De acordo com o meteorologista do Inmet, Mamedes Luiz Melo, tanto o ciclone bomba da semana passada, quanto o fenômeno previsto para agora são sistemas de baixa pressão. Mas as semelhanças param por aí.

Pode chover até 60 milímetros por hora. O vento deve ser intenso, com velocidade entre 60 e 100 quilômetros por hora, e existe o risco de queda de granizo. As condições do tempo podem danificar as plantações, causar alagamentos, provocar a queda de árvores e levar a novos cortes de energia elétrica.

A Celesc, Centrais Elétricas de Santa Catarina, classificou os danos causados pelo ciclone bomba, na última terça-feira, como os maiores da história do estado. Na tarde dessa segunda-feira, pouco mais de 1% das unidades atendidas pela empresa ainda estavam sem luz. O fenômeno da semana passada causou danos em 135 municípios catarinenses e provocou pelo menos 12 mortes.

O alerta do Instituto Nacional de Meteorologia inicialmente foi para Santa Catarina, onde o sistema de baixa pressão se formou. Nesta terça (7) e quarta (8), o alerta vale para o Rio Grande do Sul, incluindo a capital, Porto Alegre. De acordo com o meteorologista do Inmet Mamedes Luiz Melo, a frente fria pode atingir também o Paraná, antes de se deslocar para o Oceano Atlântico.

Se você estiver nas regiões afetadas pela tempestade, atenção. Procure abrigo em locais seguros. Evite áreas de risco e próximas a encostas. Fique longe de estruturas que podem ser derrubadas pelo vento ou atrair descargas elétricas, como torres, postes, placas de publicidade e árvores. Se for possível, desligue os aparelhos elétricos e não use o telefone celular enquanto estiver carregando. Em caso de risco, ligue para o Corpo de Bombeiros, ou para a Defesa Civil.

PUBLICIDADE

Recomendados