Pesquisadores monitoram efeitos da covid-19 na natureza

Cotidiano

13 de julho de 2020 08:40

Rádio Agência Nacional


Relacionadas

Paulo Eduardo Martins reafirma luta pelas privatizações

Simepar e Estado implantam programa ‘Sinais da Natureza’

Eleições: redes sociais reforçam ações contra fake news

Quase mil pessoas morreram por fake news sobre a covid-19
70% dos bares e restaurantes estão com as contas vencidas
Paraná incentiva participação de jovens na política brasileira
Setor de serviços cresce 5% de maio para junho, diz IBGE
Menos pessoas, mais animais. É assim que tem ocorrido em Mato Grosso do Sul, como relata o diretor-presidente da Fundtur. Foto: Reprodução/EBC
PUBLICIDADE

A qualidade do ar melhorou durante confinamento pela Covid-19, segundo estudo publicado na revista científica ‘Nature Climate Change’ 

O pesquisador em Ecologia Eduardo Santos fala sobre o interesse da comunidade científica nos impactos no meio ambiente, devido a mudança repentina no comportamento humano por causa da pandemia da Covid-19.

Menos pessoas, mais animais. É assim que tem ocorrido em Mato Grosso do Sul, como relata o diretor-presidente da Fundtur, Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul, Bruno Wendling.

A presença de aves e outros animais não é exclusividade das áreas urbanas. A marisqueira Célia das Neves captou o canto de um gavião que já não era mais ouvido nem nos lugares onde a natureza é mais presente. Célia vive na reserva Extrativista Marinha Mãe Grande, município paraense de Curuçá, na região do Marajó.

Mudança que também pode ser sentida na volta de alguns pescados que estavam casa vez mais raros, destaca Célia. Para o diretor-presidente da Fundtur de Mato Grosso do Sul, as mudanças no meio ambiente pode ser um incremento para o turismo, setor muito impactado pela a pandemia.

O Secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Ministério do Turismo, William França, afirma que estudos apontam que na retomada do setor pós-pandemia as pessoas vão optar por destinos mais próximos de casa e com a presença da natureza.

A qualidade do ar, melhorou durante confinamento pela Covid-19. Estudo publicado na revista científica ‘Nature Climate Change’ indicou que no início de abril as emissões diárias de CO2 caíram de 17% no mundo. Mas o isolamento social, não conseguiu frear as queimadas e o desmatamento no Brasil.

Segundo dados do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o número de focos de incêndio no mês de junho aumento mais de 19% em ao mesmo mês no ano passado.

O governo federal prepara um decreto que vai proibir por quatro meses o uso do fogo conrolado, técnica usada para preparação da terra para plantio. O ministério do meio ambiente informou que ainda não tem estudos sobre os impactos da pandemia para o meio ambiente brasileiro.

PUBLICIDADE

Recomendados