Paulo Martins exalta novo marco legal do saneamento básico

Cotidiano

15 de julho de 2020 19:20

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Produção industrial sobe 8,9% em junho ante maio, diz IBGE

Bolsonaro preside reunião do Conselho de Governo

'Não vejo nenhum crime do presidente', diz Maia

Auxílio emergencial: Caixa divulga novo calendário de pagamento
Mais de 1,8 milhão já foram curados do covid-19 no Brasil
Com a pandemia, leitos de UTI aumentam 45% no país
Saúde prevê edital sobre vagas no programa Mais Médicos
Parlamentar comemorou sanção presidencial que ocorreu nesta quarta-feira (15) Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Líder do PSC no Paraná citou importante projeto que terá investimento entre R$ 600 a R$ 700 bilhões, além da geração de cerca de um milhão de empregos

O deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR) comemorou e destacou a importância do novo marco legal do saneamento básico no Brasil. Com altos investimentos e ampla geração de empregos para os próximos anos, o parlamentar falou sobre o texto que já foi sancionado.

“Finalmente o brasileiro terá a chance de não ser refém da letargia estatal no setor de saneamento, que deixa o brasileiro sem esgoto e no esgoto”, citou Paulo Eduardo Martins, apontando um dos principais problemas enfrentados no Brasil.

A declaração é por conta da sanção presidencial do novo marco legal do saneamento básico, nesta quarta-feira (15/07). Jair Bolsonaro vetou 11 pontos do texto que já havia sido aprovado no Congresso. Entre eles, o de que o poder público poderia assumir os serviços de saneamento das empresas públicas ou sociedades de economia mista que passarem por alienação acionária.

A nova lei pretende atrair o setor privado para expandir o abastecimento de água e o tratamento de esgoto no país. O governo estima investimentos entre R$600 e R$700 bilhões, além da geração de cerca de um milhão de empregos nos próximos cinco anos.

“Agora teremos a chance real de, nos próximos anos, garantir coleta de esgoto para 90% da população brasileira e água potável para 99% dos brasileiros”, analisa Paulo Eduardo Martins. Os vetos presidenciais serão analisados pelo Congresso, que pode derrubá-los e retomar o texto aprovado inicialmente. 

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados