Jovens mortos na BR-277 seguiam para vigília

Cotidiano

03 de agosto de 2020 11:20

Da Redação


Relacionadas

Paraná quita R$ 2 bilhões em precatórios em 2020

Petrobras vende campos terrestres de Lagoa Parda

Engie doa R$ 500 mil para ajudar hospitais no Paraná

Multas por crimes ambientais somam R$ 2,5 mi em oito dias
Pesquisa comprova que covid-19 é também doença vascular
RodoNorte integra campanha de conscientização sobre queimadas
Menino morre após choque elétrico na região de Irati
Os jovens Fernando, Ester e Jéssica – vítimas fatais do acidente na BR-277 Foto: Banda B/Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

Ester e Fernando eram casados e tinham deixado a filha deles, uma bebê, na casa da avó materna, minutos antes

Três jovens que morreram na hora no acidente gravíssimo na BR-277, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, na noite deste domingo (2), estavam indo para um grupo de oração. As irmãs Jéssica Oliveira, 22 anos, e Ester Nunes, 20 anos, assim como Fernando Jaroz, 20, estavam no acostamento e foram atropelados pelo caminhão, último envolvido no trágico acidente. Ester e Fernando eram casados e tinham deixado a filha deles, uma bebê, na casa da avó materna, minutos antes. O pai das meninas que dirigia um Renault Clio não ficou ferido.

A família disse à Banda B que os jovens e o pai das garotas, que é pastor em uma igreja de Curitiba, seguiam para uma vigília quando o acidente aconteceu. “Eles tinham acabado de sair da igreja, fica no Boqueirão, e estavam indo para um monte orar, seguiam sentido pedágio, quando o acidente aconteceu. Todo mundo sem chão”, disse Diego Daniel Gomes, primo das irmãs.

Segundo Diego, os três jovens estavam no acostamento, quando foram atingidos pelo caminhão. “Eles desceram do carro e estavam no acostamento, foram atropelados fora. O pai não foi atingido. A minha prima deixou o bebê dela em casa, com a mãe, antes de ir para a vigília. Fazia tempo que eles queriam ir, ontem saíram da igreja, deixaram a bebê e foram. Ficamos sabendo do acidente e depois soubemos que eram da família”, descreveu o primo.

PUBLICIDADE

Recomendados