Mercado acredita em redução da taxa Selic nesta semana

Cotidiano

03 de agosto de 2020 13:40

Rádio Agência Nacional


Relacionadas

Congresso vai aperfeiçoar reforma administrativa, diz ministro

Planetários de todo o país terão exibição online terça-feira

TJ do Rio de Janeiro decide que Cristiane Brasil continuará presa

Batida de caminhão e van deixa 12 mortos em Minas
Operadoras voltam a vender viagens para o fim do ano
Sem saber que estava ao vivo, Pastor agride mulher em vídeo
SP anuncia que receberá 5 milhões de doses de CoronaVac
A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano é de 5,66%. Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%. Foto: Reprodução Agência Brasil
PUBLICIDADE

Para o final de 2021, a previsão é que a Selic esteja em 3% ao ano

O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, seja reduzida de 2,25% para 2% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), marcada para esta terça (4) e quarta-feira (5). Depois dessa redução, a expectativa é que não haja novas reduções da Selic neste ano.

Para o final de 2021, a previsão é que a Selic esteja em 3% ao ano. Essas expectativas estão no boletim Focus, publicação divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com estimativas para os principais indicadores econômicos.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano é de 5,66%. Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%. 

A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no boletim desta semana, passou de 1,67% para 1,63%. Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%.

PUBLICIDADE

Recomendados