Renault diz que irá recorrer sobre demissão de funcionários

Cotidiano

06 de agosto de 2020 13:20

Da Redação


Relacionadas

Caixa libera o auxílio emergencial para nascidos em abril

Enem: estudantes têm até hoje para inserir foto no cadastro

ONU pede planos para financiar esforço global por vacina

Paraná quita R$ 2 bilhões em precatórios em 2020
Petrobras vende campos terrestres de Lagoa Parda
Engie doa R$ 500 mil para ajudar hospitais no Paraná
Multas por crimes ambientais somam R$ 2,5 mi em oito dias
Nesta manhã de quinta-feira, 6 de agosto, a empresa informou que ainda não foi oficialmente notificada da decisão. Foto: Reprodução/Renault Group
PUBLICIDADE

A decisão determina multa diária de R$ 100.000, caso a montadora descumpra a decisão

A Renault do Brasil, por meio de nota, informou que irá recorrer da decisão da 3ª Vara do Trabalho de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, que determina a reintegração dos 747 funcionários demitidos no último dia 21 de julho. Nesta manhã de quinta-feira, 6 de agosto, a empresa informou que ainda não foi oficialmente notificada da decisão.

"Em função da necessidade de adequação do quadro de efetivos, motivado pelo agravamento da crise gerada pela Covid-19, da queda das vendas da Renault em 47% no primeiro semestre e da falta de perspectiva de retomada do mercado, a Renault irá analisar o conteúdo da decisão, assim que receber, e irá recorrer às instâncias da justiça que forem adequadas", diz a nota encaminhada à redação do Bem Paraná.

Em decisão, na noite desta quarta-feira, 5 de agosto, a Justiça do Trabalho da 9ª Região deu causa favorável à ação impetrada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) e determinou a anulação das demissões dos 747 trabalhadores da montadora Renault realizadas pela empresa no dia último dia 21 de julho. A decisão determina multa diária de R$ 100.000, caso a montadora descumpra a decisão.

Na decisão, a Juíza Sandra Mara de Oliveira Dias, afirma que a Renault descumpriu um Termo de Compromisso que a própria empresa havia firmado com o Ministério Público do Trabalho onde se comprometia a negociar com o Sindicato da categoria qualquer programa de dispensa e ainda que “qualquer dispensa coletiva sem negociação prévia viola garantias constitucionais além de configurar ato antissindical, pois subtrai do sindicato a prerrogativa de servir como defensor dos direitos e interesses da categoria representada, conforme garantido pelo art. 8º, inciso III, da CF/88”.

"Além disso, “a dispensa coletiva sem prévia negociação coletiva (efetiva e não meramente formal) viola frontalmente a Constituição Federal, em especial os princípios constitucionais da intervenção sindical nas questões coletivas trabalhistas (art. 8º, III e VI), do diálogo social e da valorização da negociação coletiva (art. 114, § 1º e 2º). Desse modo, tem-se por configurada a inconstitucionalidade de dispensas coletivas sem prévia negociação coletiva”, concluiu a decisão.

Informações Bem Paraná

PUBLICIDADE

Recomendados