Senado limita taxa de juros do cartão e do cheque especial

Cotidiano

07 de agosto de 2020 09:29

Agência Brasil


Relacionadas

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 60 milhões

Validade da CNH passará de 5 para 10 anos

Eleitor poderá justificar falta nas votações pelo celular

Receita paga hoje restituições do quinto lote do IRPF
Lei aumenta pena para maus-tratos a cães e gatos
Mãe mata filho asfixiado no PR e tenta o suicídio
Tarifa cheia do pedágio volta a vigorar em outubro
Projeto aprovado no Senado agora segue para a Câmara dos Deputados Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Limite chega a 30% e valerá até o fim do estado de calamidade pública causado pela pandemia da covid-19

O Senado aprovou nesta quinta-feira (6) o Projeto de Lei (PL) 1.166/2020, que limita as taxas de juros de cartão de crédito e cheque especial em até 30% ao ano. A limitação, segundo projeto, valerá até o fim do estado de calamidade pública, em virtude da pandemia do covid-19. O projeto segue para a Câmara dos Deputados.

O projeto original, do senador Alvaro Dias (Podemos-PR), estabelecia teto de 20% ao ano para todas as modalidades de crédito ofertadas por meio de cartões de crédito e cheque especial. Mas o relator, Lasier Martins (Podemos-RS), apresentou um substitutivo no seu relatório, fixando em 30%. No caso das fintechs, o limite sobe para 35% ao ano.

“O foco é proteger os detentores de cartões de crédito e de cheque especial, atormentados com juros rotativos estratosféricos, que possam se sentir aliviados neste particular, ao menos no período da pandemia. Já chegam as virulências da doença e da crise econômica”, afirmou Lasier em seu relatório.

Segundo o senador, países como Portugal, Espanha, Alemanha e Itália já trabalham com limitadores de teto na taxa de juros. “Na América Latina, em que não há limitação, ainda assim as médias de juros giram em torno de 40% a 55%, bem abaixo dos valores praticados no Brasil”.

Segundo dados retirados do site do Banco Central, as taxas de juros anuais do cartão de crédito rotativo são variadas, chegando até 790%. A Caixa Econômica Federal, por exemplo, pratica uma taxa de 181,40% ao ano; o Bradesco, de 245,05%; o Itaucard., de 291,11%, e o Banco do Brasil, de 213,43%.

PUBLICIDADE

Recomendados