Inflação: gasolina e eletricidade são motivos da alta de julho

Cotidiano

07 de agosto de 2020 12:00

Agência Brasil


Relacionadas

Engie doa R$ 500 mil para ajudar hospitais no Paraná

Multas por crimes ambientais somam R$ 2,5 mi em oito dias

Pesquisa comprova que covid-19 é também doença vascular

RodoNorte integra campanha de conscientização sobre queimadas
Menino morre após choque elétrico na região de Irati
Incerteza da economia cai pelo quinto mês consecutivo
Em dois meses, 5.300 cães e gatos são castrados no Paraná
Os combustíveis, de uma forma geral, subiram 3,12%, devido a aumentos de preços no óleo diesel (4,21%), etanol (0,72%) e gás veicular (0,56%). Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Os transportes tiveram maior influência com alta de 0,78%, diz IBGE 

A gasolina, com uma alta de preços de 3,42% em julho, foi o item que mais impactou a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no mês. Os combustíveis, de uma forma geral, subiram 3,12%, devido a aumentos de preços no óleo diesel (4,21%), etanol (0,72%) e gás veicular (0,56%).

“A gasolina continua revertendo o movimento que teve nos meses de abril e maio. Já havia subido em junho e voltou a subir em julho”, disse o pesquisador do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pedro Kislanov.

Os transportes foram o grupo de despesas que teve maior influência no IPCA de julho, com alta de 0,78%.

O IPCA fechou o mês em 0,36%, influenciado também pelo aumento do custo com habitação (0,80%), puxado pela alta de preços da energia elétrica (2,59%). Outros grupos que tiveram impacto importante na inflação foram saúde e cuidados pessoais (0,44%), artigos de residência (0,90%) e comunicação (0,51%).

Os alimentos subiram apenas 0,01% e tiveram pouco impacto na inflação de julho. Três grupos registraram deflação (queda de preços): vestuário (-0,52%), despesas pessoais (-0,11%) e educação (-0,12%).

PUBLICIDADE

Recomendados