Guerra tecnológica entre EUA e China avança com TikTok

Cotidiano

10 de agosto de 2020 09:40

Da Redação


Relacionadas

Em dia de calor, praias cariocas registram aglomeração

Dia do idoso: pandemia, saúde mental e física são desafios

Batida frontal mata uma pessoa em Pitanga

Planeta Terra terá uma nova lua a partir de outubro de 2020
Polícia prende dupla com ‘droga do estupro’ no Paraná
Média de mortes por covid-19 no Brasil cai 10,35%
Termina hoje prazo para pedir registro de candidatura
O uso da plataforma chinesa de vídeos curtos explodiu entre os adolescentes americanos e foi definida pelo jornal New York Times como "a primeira história de sucesso verdadeiramente global da internet chinesa". Foto: Reprodução/AFP
PUBLICIDADE

A investida americana para banir a operação do aplicativo TikTok é o novo capítulo da mudança do cenário nos EUA para as empresas chinesas

Durante o governo Trump, a relação de Washington com Pequim piorou quando o assunto é comércio, segurança nacional ou tecnologia, mas nos últimos meses o ambiente para empresas que tentam furar a linha de separação entre as duas potências se tornou especialmente hostil.

"As relações entre EUA e a China estão no pior momento dos últimos 40 anos", afirma David Dollar, que foi emissário do Tesouro americano na China entre 2009 e 2013, e é integrante do centro de estudos John L. Thornton China Center no think tank (centro de pensamento) Brookings Institute.

O uso da plataforma chinesa de vídeos curtos explodiu entre os adolescentes americanos e foi definida pelo jornal New York Times como "a primeira história de sucesso verdadeiramente global da internet chinesa". A ByteDance, dona do TikTok, tentou contornar a separação entre os dois países ao armazenar dados fora da China e contratar nomes americanos para gerir o aplicativo. Não foi suficiente.

Os americanos argumentam que a China está engajada em uma campanha de espionagem internacional para adquirir tecnologia que dê vantagem às empresas chinesas, e que aplicativos e redes de tecnologia ameaçam a segurança nacional.

Informações Bem Paraná/Estadão Conteúdo

PUBLICIDADE

Recomendados