OMS: cloroquina não é solução para o Brasil

Cotidiano

10 de agosto de 2020 12:20

Da Redação


Relacionadas

Ampliação do cais aumenta a capacidade do Porto

PR tem 1º óbito por dengue no período epidemiológico

Alunos têm até esta quarta para inscrição em cursos de tecnologia

PR orienta sobre cuidados com os trabalhadores da Saúde
Indústria segue em recuperação com alta do emprego
Estação das flores começa nesta terça-feira
Brasileiros desejam mundo mais sustentável pós-pandemia
O diretor-executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan ressaltou que a hidroxicloroquina, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro para o tratamento da doença, não é a solução para o país. Foto: Reprodução/Poder 360
PUBLICIDADE

No fim de semana, o Brasil ultrapassou o marco de 100 mil mortes por covid-19

O diretor-executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, disse nesta segunda-feira, 10, que a curva de mortes por coronavírus no Brasil "está achatada, mas não diminuindo" e ressaltou que a hidroxicloroquina, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro para o tratamento da doença, não é a solução para o país.

Em resposta a uma pergunta sobre a postura de Bolsonaro, Ryan reafirmou que não há comprovação da eficácia da substância no combate ao novo coronavírus, durante coletiva de imprensa da entidade. No fim de semana, o Brasil ultrapassou o marco de 100 mil mortes por covid-19.

Antes de Ryan, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse no início da coletiva que o mundo chegará a 20 milhões de casos de covid-19 nesta semana.

Tedros também comentou que possíveis vacinas contra a doença exigirão o investimento de mais de US$ 100 bilhões. "Parece ser muito dinheiro e é de fato", disse. "Mas é (um valor) pequeno se comparado aos US$ 10 trilhões que já foram investidos por países do G20 em estímulos fiscais para lidar com as consequências da pandemia até o momento", acrescentou.

Ele afirmou ainda que é preciso eliminar a covid-19 de forma eficaz para que "possamos reabrir as sociedades de forma segura".

Informações Bem Paraná/Estadão Conteúdo

PUBLICIDADE

Recomendados