Pesquisa da Uenp analisa anticorpos contra covid-19

Cotidiano

14 de setembro de 2020 16:40

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Confiança do comércio volta a ficar otimista após 6 meses

Sinepe-PR pede a volta das aulas presenciais

PR quer atrair investimentos produtivos para os municípios

Tetra Pak começa a fornecer embalagem para água mineral
Ministro do STJ aparece de cueca em sessão virtual da corte
Bolsonaro faz mudança em cargos do gabinete pessoal
Governo federal anuncia terceira etapa do Pronampe
O estudo tem um nível de confiança de 95%. Foto: Reprodução/AEN
PUBLICIDADE

Levantamento em 14 municípios do Norte e Norte Pioneiro aponta que 8,5% da população adulta possuem anticorpos para a doença

O Núcleo de Estudos e Enfrentamento da Covid-19 da Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp) divulgou o resultado de uma pesquisa realizada em 14 municípios do Norte e do Norte Pioneiro para avaliar a presença de anticorpos na população. O resultado que aponta 8,5% da população adulta possuem anticorpos para a doença. O estudo tem um nível de confiança de 95%. Confira o relatório completo.

A pesquisa foi desenvolvida em parceria com as Regionais de Saúde de Cornélio Procópio e Jacarezinho, secretarias municipais de Saúde da região e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), e contou com apoio da Fiocruz/Bio-Manguinhos e do Ministério da Saúde.

O coordenador do estudo e professor da Uenp, Ricardo Castanho Moreira, afirmou que a pesquisa foi disponibilizada para as Regionais de Saúde, servindo de base para o planejamento e elaboração de ações estratégicas de combate à Covid-19. “Os dados resultantes do trabalho podem auxiliar o poder público nas tomadas de decisões nesse momento de pandemia”.

Pesquisa - No período de 11 de junho a 11 de agosto foram avaliados 527 voluntários com o objetivo de identificar a presença do anticorpo IgM e IgG contra a SARS-COv-2, vírus causador da Covid-19.

A média de idade dos pacientes foi de 36,9 anos, sendo 60,4% mulheres e 39,6% homens. A maioria dos participantes reside em zonas urbanas.

A população da região está estimada em 511.603 habitantes, 294.874 deles na faixa etária de 18 a 59 anos. Para o pesquisador, é possível projetar o resultado de 8,5% para a população de adultos da região e encontrar um total estimado de 25.064 pessoas que já tiveram contato com o vírus em todo o Norte do Paraná.

Porém, ele alerta que a presença de anticorpos não significa uma imunidade duradoura à doença. “O fato do paciente apresentar anticorpos não garante que ele não possa ser reinfectado. Precisamos entender que a pandemia não acabou, devemos nos manter firmes e estimular a adesão às medidas de precauções da transmissão do vírus, como uso de máscara, higienização das mãos, distanciamento social e evitar aglomeração”.

Testagem - Castanho também afirma que o resultado da pesquisa demonstra que o vírus se espalha de maneira rápida. Segundo o Boletim Epidemiológico Especial do Ministério da Saúde, o Paraná é o segundo estado que mais realiza exames RT-PCR para detectar a presença do novo coronavírus no organismo. Desde o começo da pandemia foram examinadas 536.853 amostras. Em relação aos números de testes proporcionalmente à população, o Paraná também aparece no topo, em terceiro lugar. Foram 4.574 exames para cada 100 mil habitantes.

Na pesquisa do Núcleo de Estudos e Enfrentamento da Covid-19 da Uenp foi utilizado o teste TR DPP® COVID-19 IgM/IgG, desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, que possui uma sensibilidade de 93,5%.

O teste, que é uma evolução do teste rápido de fluxo lateral, garante a ampliação dos níveis de sensibilidade e especificidade ao separar o processo de ligação antígeno-anticorpo do processo de revelação, com resultados confiáveis.

O resultado é concedido por um equipamento chamado microleitor, que diminui a possibilidade de erro humano e registra automaticamente os dados em computador. Utilizando apenas uma amostra de sangue é possível realizar duas reações independentes simultaneamente, permitindo a detecção diferenciada de IgM e IgG, a partir da mesma amostra.

Ambiente de Trabalho - Compartilhar talheres, pratos e copos no trabalho é um fator associado ao risco de contaminação, segundo a pesquisa. Essa prática pode aumentar em até duas vezes a chance de exposição ao vírus, em relação a quem não compartilha estes utensílios. Manter o distanciamento físico das pessoas no ambiente de trabalho também reduz em 43% a chance de exposição ao vírus.

Cidades - A pesquisa foi aplicada nas cidades de Andirá, Bandeirantes, Barra do Jacaré, Cambará, Carlópolis, Cornélio Procópio, Leópolis, Quatiguá, Ribeirão do Pinhal, Santa Mariana, Santana do Itararé, Santo Antônio da Platina, Sertaneja e Siqueira Campos, que estão entre os 43 municípios que compõem a região.

PUBLICIDADE

Recomendados