Três adolescentes morreram por doença rara no Paraná

Cotidiano

23 de setembro de 2020 14:09

Da Redação


Relacionadas

Sesa divulga 1,1 mil casos novos e 14 mortes pela Covid

Plauto pede informações sobre aumento do pedágio

Governo envia à Alep projeto para extinguir Imprensa Oficial

Brasil e EUA concluem acordos para facilitar investimentos
Missão japonesa fará imagens em 8K de Marte
Portos do Paraná já receberam navios de 48 nacionalidades
Bolsonaro participa da abertura de fórum econômico
Três pacientes com menos de 15 anos no PR morreram por doença rara que pode estar ligada à Covid-19. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Doença pode estar relacionada com a Covid-19

Três pacientes que tiveram covid-19 com menos de 15 anos morreram no Paraná pela Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), uma doença considerada rara que pode estar associada ao coronavírus. Entre as vítimas, uma delas não tinham nenhuma doença associada que a deixasse no grupo de risco, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa).

Até a manhã desta quarta-feira, o Paraná tinha, segundo levantamento da Sesa, dez casos da SIM-P; seis do sexo masculino e quatro feminino; com idade entre três a 16 anos. Quatro já tiveram alta hospitalar, três foram a óbito e três permanecem em investigação. Os casos ocorreram nos municípios de Curitiba (7), Fazenda Rio Grande (1), Realeza (1) e Medianeira (1). Das vítimas mortas, duas tinham paralisia cerebral, de cinco e 15 anos, e uma terceira, de 13, não apresentava nenhum fator de risco.

Os sintomas da SIM-P podem aparecer até quatro semanas após a exposição à Covid-19 em crianças e adolescentes de zero a 19 anos. Segundo a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesa, Acácia Nasr, a doença é multissistêmica, com vários sintomas podendo aparecer. “Caracterizada por febre persistente, sintomas gastrointestinais, erupções cutâneas, edemas em mãos e pés e até conjuntivite. Nem sempre os sintomas respiratórios estarão presentes”, destacou à Banda B.

A coordenadora fez questão de destacar que os casos no Paraná nem sempre são de pacientes do grupo de risco. “As crianças e adolescentes são habitualmente saudáveis, mas podem ter doenças imunossupressoras, por isso é necessário os pais tomarem todos os cuidados possíveis para evitar a contaminação da covid-19. As crianças podem passar sem sintomas pela covid e depois ter o caso da inflamação multissistêmica”, salientou.

De acordo com a profissional da Saúde, ainda há poucas informações sobre o que pode levar uma criança saudável a apresentar a síndrome rara. “Ainda está sendo estudado, porque a covid-19 é uma doença nova. O que existe para o momento é a prevenção mesmo, não expor as crianças quando não há necessidade e saber que elas também estão suscetíveis ao vírus”, concluiu.

No Brasil, até o dia 22 de agosto, dados do Ministério da Saúde mostram que foram notificados 197 crianças e adolescentes de 0 a 19 anos; destes 14 foram a óbitos pela SIM-P temporalmente associada à Covid-19.

PUBLICIDADE

Recomendados