Prefeitura de Curitiba adia volta às aulas de novo

Cotidiano

25 de setembro de 2020 14:03

Da Redação


Relacionadas

Consumo de energia apresenta crescimento em setembro

Tribunal especial afasta governador de Santa Catarina

Gaeco denuncia donos de 13 postos no Paraná por cartel

Adoção e abandono de animais crescem na pandemia
Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 38 milhões
Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Sinovac
Saúde reforça a importância da vacinação contra a poliomielite
Prefeitura de Curitiba adia volta às aulas de novo Foto: Reprodução/Pexels
PUBLICIDADE

A prefeitura trabalhava com a possibilidade de retorno às aulas presenciais em 30 de setembro

Devido à pandemia do novo coronavírus, as aulas presenciais nas unidades da rede municipal de ensino de Curitiba seguirão suspensas até o dia 31 de outubro. A determinação está no decreto número 1.259, publicado nesta quinta-feira (24/9), no Diário Oficial do Município. Anteriormente, a prefeitura trabalhava com a data de retorno às aulas presenciais em 30 de setembro, o que foi descartado. A suspensão dura desde o início da pandemia, em março.

Nesta quinta-feira (24),  em audiência na Câmara Municipal, a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, defendeu a possível retomada das aulas em Curitiba, mas afirmou que essa decisão não pertence mias a prefeitura.

“Isso já não nos pertence mais, pois estamos impedidos [por medidas judiciais]. Agora é a sociedade que tem que decidir isso. Fomos interpelados por uma ação civil pública. Várias, aliás, que a gente respondeu, do Ministério Público [do Paraná] e, inclusive, chegou [ao ponto de] num vídeo reunião, com um promotor… [De ser feita] ameaça a todos os membros do comitê, em processo criminal, cível e administrativo”, testemunhou Huçulak, referindo-se ao grupo que avalia as medidas de combate à propagação do Sars-CoV-2.

Governo do Paraná descarta a volta

Paraná por pelo menos 30 dias. Ele disse que o governo está esperando uma queda na curva ao longo do próximo mês, mas que a discussão de retorno só poderá acontecer se as expectativas epidemiológicas se confirmarem.

“Ao descer esse patamar, talvez possamos estudar o retorno, com calma, respeito, tranquilidade. Em primeiro lugar, vem a segurança de alunos, professores e familiares, já que os estudantes precisam retornar para casa após a aula. Esse tema é tratado com todo o carinho e respeito que o cidadão merece. Não é por pressão desta ou daquela entidade que vamos ceder. Toda a orientação será de ponto de vista técnico, epidemiológico e de saúde pública”, disse o secretário.

A prefeitura de Curitiba informou que, durante este período de isolamento, desde 13 de abril, crianças e estudantes têm acesso aos conteúdos do currículo por meio das videoaulas disponíveis na TV aberta (canais 4.2 e 9.2 em Curitiba) e no YouTube.


Fonte: Banda B

PUBLICIDADE

Recomendados