Tarifa cheia do pedágio volta a vigorar em outubro

Cotidiano

29 de setembro de 2020 18:40

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Emergência hídrica é prorrogada por mais 180 dias

Startups apresentam projetos inovadores para o agronegócio

Paraná abre mais de 19 mil empregos em setembro

Polícia Rodoviária intensifica as ações no feriado prolongado
Extensão do auxílio emergencial começa a ser pago no domingo
PF utilizará drones durante Operação Eleições Limpas 2020
Estudo utiliza células-tronco para combater Covid-19
Concessionária CCR RodoNorte apontou que conclui, em 13 de outubro, a obrigação acordada com Ministério Público que diminuiu em 30% os tickets nas praças Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Concessionária CCR RodoNorte apontou que conclui, em 13 de outubro, a obrigação acordada com Ministério Público que diminuiu em 30% os tickets nas praças

A concessionária CCR RodoNorte informou que a tarifa em suas praças de pedágio, que envolve a região dos Campos Gerais, Norte do Paraná e metropolitana de Curitiba voltará aos preços normais praticados antes do início da redução em 27 de abril deste ano. A medida passará a valer a partir da meia-noite de 14 de outubro, quarta-feira.

Em nota enviada, a concessionária apontou que “poderá concluir, no dia 13 de outubro de 2020, a obrigação acordada com o Ministério Público Federal do Paraná (MP-PR), relativa ao pagamento parcial de 30% da tarifa de pedágio em favor dos usuários nas praças de pedágio em todo o trecho sob sua administração”.

Ainda, informou que o acordo estabelecimento que a redução da tarifa ocorre até alcançar o valor de R$ 350 milhões. “Com o cumprimento dessa obrigação, a tarifa deverá retornar ao valor original à zero hora do dia 14 de outubro de 2020. A concessionária segue cumprindo todas as demais obrigações previstas no acordo assinado com o MPF”, complementa a nota da CCR RodoNorte.

A ação junto ao Ministério Público citado pela empresa de pedágio é em referência a um acordo de leniência, homologado pela 5ª turma superior do órgão ligado à Procuradoria da República do Paraná, que envolvia atos de corrupção e lavagem de dinheiro relacionados aos contratos entre a empresa, o Estado do Paraná, o Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PR), o Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER) e o Ministério dos Transportes.

Dessa forma, além dos R$ 350 milhões destinados ao pedágio, houve um amplo investimento em obras de infraestrutura, principalmente na região dos Campos Gerais. Apenas nos municípios locais, quase R$ 500 milhões em duplicações, melhorias, acessos e viadutos, em 16 frentes estão sendo realizados com previsão de entrega para o final de 2021. Apenas nas obras para melhorar dois trechos urbanos da BR-373, na Avenida Souza Naves em Ponta Grossa, o investido estimado é de R$ 55 milhões.


Alep defende novo modelo

Os deputados que integram a Frente Parlamentar de Encerramento dos Contratos de Pedágio da Assembleia Legislativa do Paraná defenderam, em uma nova reunião por videoconferência nesta terça-feira (29), a adoção de uma modelagem de menor preço para as novas concessões de pedágio nas estradas do Paraná. 

Os contratos do modelo atual se encerram em novembro do ano que vem. Até lá, uma série de estudos está sendo realizada para que a licitação com outro modelo seja lançada. A reunião contou com a participação de parlamentares, entidades de classe e associações de municípios de diversas regiões do Estado.

O coordenador da Frente Parlamentar, deputado Arilson Chiorato (PT), defendeu a ampliação da discussão e a elaboração de um documento, representando toda a sociedade paranaense, expressando a insatisfação contra o atual modelo. 

“O pedágio é um tema muito delicado, por isso estamos debatendo o encerramento dos atuais contratos e os novos modelos a serem adotados. Os modelos apresentados inspiram preocupação. O Paraná não pode perder a oportunidade de construir um modelo legal, transparente e justo”, afirmou Chiorato. Uma nova reunião da Frente está previamente marcada para a próxima segunda-feira (05).

PUBLICIDADE

Recomendados