Abastecimento de navios aumenta nos portos do Paraná

Cotidiano

26 de outubro de 2020 13:40

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

TSE mantém protocolos sanitários no segundo turno

E-Título pode ser baixado até 23h59 deste sábado

Ministro da Infraestrutura anuncia que está com covid-19

PF prende em Portugal suspeito de invasão hacker ao TSE
Para justificar ausência, eleitor deve baixar e-Título hoje
Mega-Sena pode pagar R$ 3 milhões neste sábado
Jovem infectada em festa passa covid-19 para 18 parentes
O trabalho é feito por sete marinheiros devidamente qualificados. Com mais de dez anos de experiência nesse tipo de atividade, eles passam por treinamentos e capacitação periódicos. Foto: Reprodução/AEN
PUBLICIDADE

De janeiro a setembro deste ano, 558 embarcações “encheram os tanques” em águas paranaenses – 13% a mais que no mesmo período em 2019

Foram 302.363 toneladas de bunker, como é tecnicamente chamado o combustível utilizado nos navios, o que significa uma quantidade 17,24% maior que no ano passado.

O abastecimento de navios nos portos do Paraná aumentou em volume e número de procedimentos. Neste ano, de janeiro a setembro, 558 embarcações “encheram os tanques” em águas paranaenses – 13% a mais que no mesmo período em 2019. Foram 302.363 toneladas de bunker, como é tecnicamente chamado o combustível utilizado nos navios, o que significa uma quantidade 17,24% maior que as 257.896 toneladas registradas no ano passado.

“Esse volume de abastecimento é considerado uma exportação. Isso entra nas estatísticas do Porto, é um produto que o Brasil está vendendo para o exterior, já que abastece navios de outros países. É receita no sentido global. Tanto na exportação quanto por movimentar uma série de mão de obra no porto, na empresa que presta o serviço. É toda uma logística montada para abastecer os navios”, explica o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Segundo ele, o aumento no abastecimento é um reflexo no crescimento da produtividade e movimentação dos portos. Além disso, se explica pela localização geográfica estratégica do Porto de Paranaguá e pelas características da baía.

Apoio Marítimo - O coordenador de Tráfego Marítimo da Portos do Paraná, Mauricio Roberto da Silva, destaca que, além da estrutura aquaviária, sinalização náutica e estrutura de acostagem, para que as operações portuárias aconteçam, as prestadoras dos serviços conhecidos como apoio portuário são fundamentais para que o porto funcione de forma plena.

“Os serviços considerados como apoio marítimo são os trabalhos dos rebocadores, lanchas de apoio, o serviço de amarração, bem como o abastecimento de água, combustíveis e todas as empresas de fornecimento de bordo de qualquer natureza”, explica Silva.

De acordo com o portuário, nos Portos do Paraná esses serviços são reconhecidos pela qualidade. “A qualidade dos serviços de apoio em terra e mar são de excelência aqui no porto. As empresas passam por cadastramento prévio e todas devem apresentar certificações e treinamentos nas áreas específicas”, completa.

Ele acrescenta que todas as embarcações utilizadas nos serviços são verificadas junto à Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq) e à Capitania dos Portos quanto à regularidade de certificação.

Abastecimento - Nos portos do Paraná, a Petrobras é única fornecedora de combustível para o abastecimento de navios. A empresa que presta esse serviço para a estatal brasileira é a Navemestra, do Grupo Bravante.

O serviço é executado por duas barcaças com capacidade para carregar até 1.450 toneladas de combustível. O abastecimento de navios pode acontecer com as embarcações atracadas no cais ou fundeadas (na área de fundeio específica) e, em alguns casos, os navios vão a Paranaguá apenas para abastecer (only bunker). A operação é segura, realizada com barreiras de contenção para evitar que qualquer produto caia no mar.

“Por conta da quantidade de áreas de fundeio aqui no Porto de Paranaguá, é possível que no tempo de espera os navios já façam toda a parte de abastecimento”, afirma Silva. As regras para esse serviço, acrescenta, compreendem autorização por parte da autoridade portuária para o fundeio, pagamento das taxas portuárias e apresentação dos planos de trabalho detalhado.

O trabalho é feito por sete marinheiros devidamente qualificados. Com mais de dez anos de experiência nesse tipo de atividade, eles passam por treinamentos e capacitação periódicos.

Em média, a empresa faz de 50 até 90 abastecimentos de navios por mês, que ocorrem dentro de uma área limite, de mar mais calmo, com menos trânsito de embarcações. Na Baía de Paranaguá o limite fica próximo à Ilha das Cobras.

PUBLICIDADE

Recomendados