TSE lança guia de segurança para candidaturas de mulheres

Cotidiano

29 de outubro de 2020 08:40

Agência Brasil


Relacionadas

E-Título pode ser baixado até 23h59 deste sábado

Ministro da Infraestrutura anuncia que está com covid-19

PF prende em Portugal suspeito de invasão hacker ao TSE

Para justificar ausência, eleitor deve baixar e-Título hoje
Mega-Sena pode pagar R$ 3 milhões neste sábado
Jovem infectada em festa passa covid-19 para 18 parentes
PR deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de verão
A cartilha oferece dicas para as candidatas às eleições deste ano se protegerem de ataques virtuais durante a campanha. Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Cartilha oferece dicas para proteção de ataques virtuais 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Instagram lançaram hoje (28) um guia de segurança para mulheres na politica. A cartilha oferece dicas para as candidatas às eleições deste ano se protegerem de ataques virtuais durante a campanha.

Na primeira parte da cartilha, as candidatas recebem informações para manter a segurança de sua página contra ações de hackers, restringir usuários e denunciá-los à plataforma. O uso das ferramentas do Instagram para se conectar aos eleitores estão disponíveis na segunda parte. 

De acordo com Natália Paiva, responsável pela área de políticas públicas do Instagram para a América Latina, o guia foi elaborado para diminuir as barreiras que as mulheres encontram ao tentarem entrar ou permanecerem no cenário politico. Segundo Natália, os ataques virtuais mais graves ocorrem contra mulheres negras. 

“As mulheres sofrem muito mais ataques online que os homens. Os estudos que a gente analisou e que ajudaram a balizar essa iniciativa mostram que mulheres que são políticas tem três vezes mais chances de receberem mensagens abusivas do que homens que são políticos”, afirmou.

Para o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, a política deve ter equilíbrio entre candidaturas de homens e mulheres. 

“Sou um defensor dessa campanha por duas razões principais. As mulheres são mais de 50% do eleitorado e nós temos um déficit de participação feminina na política. Em segundo lugar, porque as mulheres têm características e singularidades que agregam valor à vida pública”, disse. 

PUBLICIDADE

Recomendados