Anvisa autoriza importação de matéria-prima para vacina

Cotidiano

29 de outubro de 2020 09:40

Agência Brasil


Relacionadas

E-Título pode ser baixado até 23h59 deste sábado

Ministro da Infraestrutura anuncia que está com covid-19

PF prende em Portugal suspeito de invasão hacker ao TSE

Para justificar ausência, eleitor deve baixar e-Título hoje
Mega-Sena pode pagar R$ 3 milhões neste sábado
Jovem infectada em festa passa covid-19 para 18 parentes
PR deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de verão
Para comprovar a eficácia da vacina, é preciso que pelo menos 61 participantes do estudo, que tomaram placebo, sejam contaminados pelo vírus. Foto: Reprodução/Pexels
PUBLICIDADE

Solicitação para fabricação da vacina foi feita pelo Butantan 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou ontem (28) a importação, em caráter excepcional, da vacina CoronaVac na forma de produto intermediário, ou seja, não envasado. O insumo é fabricado pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Por meio de nota, a agência informou que a solicitação de importação da matéria-prima para fabricação da vacina foi feita pelo próprio Butantan. A CoronaVac ainda não tem registro no Brasil. “Os estudos ainda estão em andamento e não existe previsão de data para a vacinação”, ressaltou a Anvisa.

Testes clínicos

A CoronaVac está na terceira fase de testes clínicos. Como a Anvisa já havia aprovado a ampliação do estudo para 13 mil voluntários, o governo paulista decidiu ampliar o número de centros de pesquisa. Na fase atual, metade dos participantes recebe a vacina e a outra metade, placebo.

Caso a última etapa de testes comprove a eficácia da vacina, o acordo entre a Sinovac e o Butantan prevê a transferência de tecnologia para produção do imunizante no Brasil.

Eficácia

Para comprovar a eficácia da vacina, é preciso que pelo menos 61 participantes do estudo, que tomaram placebo, sejam contaminados pelo vírus. A partir dessa amostragem, é feita então uma comparação com o total dos que receberam a vacina e, eventualmente, também tiveram diagnóstico positivo da covid-19.

Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, será submetido a uma avaliação da Anvisa para registro e só então a vacina estaria liberada para aplicação na população.

PUBLICIDADE

Recomendados