Startups apresentam projetos inovadores para o agronegócio

Cotidiano

29 de outubro de 2020 20:30

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

PR deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de verão

Mais de 50 cidades brasileiras terão 2º turno neste domingo

Paraná chega a 1 milhão de testes e amplia a capacidade

PG e Pitanga plantam mais de 2,1 mil árvores nativas
Produtor de cevada comemora produção, qualidade e preço
PR chega a 1 milhão de testes e amplia a capacidade
Polícia prende criminosos que criavam sites falsos
Primeira série de apresentações do Pitch Paraná mostrou soluções nas áreas de irrigação, comercialização, armazenamento de grãos e biodefensivos Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Primeira série de apresentações do Pitch Paraná mostrou soluções nas áreas de irrigação, comercialização, armazenamento de grãos e biodefensivos

Cinco startups paranaenses mostraram novas soluções para melhorar processos e gerar ganhos no agronegócio na primeira rodada de apresentações do Pitch Paraná, iniciativa que busca identificar ideias inovadoras e tecnologias inclusivas que possam ser adotadas no Estado.  Os projetos foram apresentados pelas empresas Usina Biológica, Termoplex, DTO, Osalim e IrrigaTech nesta quarta-feira (28). 

Serão cinco séries de apresentações. Além do agronegócio, estão agendados novos pitchs para 04/11 (Saúde e Biotecnologia/HealthTech); 11/11 (Governo e Cidades Inteligentes/GovTech-Smart Cities); 18/11 (Transformação Digital e Indústria 4.0); e 25/11 (Empreendedorismo Social). 

O melhor pitch de cada temática será classificado para a grande final, marcada para 2 de dezembro. 


Soluções

A startup Usina Biológica apresentou seu negócio, que inclui o desenvolvimento e comercialização de biodefensivos e de bioinsumos e modelos de biofábricas com  ferramentas 4.0. Segundo a empresa, o objetivo é gerar sustentabilidade e segurança alimentar. 

A IrrigaTech, mostrou um projeto de irrigação automatizada e inteligente, via wireless, que reduz o consumo de água e aumenta a eficiência produtiva. Também para a irrigação, a DTO desenvolveu equipamento e software para realizar leituras de umidade e temperatura do solo, com o objetivo de racionalizar o uso da água. Os dados podem ser acompanhados remotamente e são utilizados como gatilho para acionamento dos irrigadores. 

A Termoplex desenvolveu uma tecnologia com sensores digitais para controle e monitoramento do armazenamento de grãos que, segundo a empresa, reduz os gastos com energia elétrica e a perda do produto agrícola. 

Em outro campo do agronegócio, a Osalim propôs uma mudança no processo de comercialização. A startup apresentou um ambiente de negociação digital, com rastreabilidade, para venda de commodities, insumos e diversos produtos agrícolas, que deverá gerar redução de custos e ganho de tempo. 


Vencedora

A empresa vencedora desta primeira rodada será anunciada na próxima quarta-feira (03), quando também acontecerá o pitch das cinco startups selecionadas na área de Saúde e Biotecnologia. 

Todos os projetos selecionados para as exposições públicas serão apresentados por meio de live no youtube. As apresentações são abertas ao público. 

O Pitch Paraná é uma iniciativa da Superintendência Geral de Inovação, vinculada à Casa Civil, com o apoio da Celepar e da Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e a parceria da Assespro, do Sebrae e da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

PUBLICIDADE

Recomendados