Produtor de cevada comemora produção, qualidade e preço

Cotidiano

27 de novembro de 2020 16:20

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Fernando Moraes assume a presidência da Faciap

Paraná registra mais 63 mortes por covid-19

Toro para em cima de Audi após engavetamento no Paraná

Paraná espera que vacinas de Oxford cheguem hoje
Larry King, lenda da televisão americana, morre aos 87 anos
Estado avalia potencial turístico em reservatórios artificiais
Número de casos de Covid chega a 8,75 milhões no Brasil
Documento publicado semanalmente pelo Deral mostra que, apesar da quebra de 10% em razão da estiagem, a cevada está com qualidade excelente e preço 37% acima da média alcançada em 2019 Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Ponta Grossa e Irati estão entre as principais regiões produtoras do grão no Paraná

A colheita da cevada terminou no Paraná e, apesar da estiagem, o volume e a qualidade da produção são considerados excelentes. Da mesma forma, o preço agrada os produtores. Esse é um dos assuntos do Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária, produzido por técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 22 a 27 de novembro.

O Paraná é o maior produtor nacional de cevada. Em 2019, foi responsável por 60% do volume. Na atual safra, os produtores paranaenses semearam 63.058 hectares e colheram 261.912 toneladas. O volume poderia ser pelo menos 10% superior não fosse a estiagem em julho e agosto, que afetou as fases de floração e frutificação, quando a exigência pelos recursos hídricos é maior.

Apesar disso, os grãos tiveram germinação acima de 95%, classe 1, que é o melhor padrão para a cevada. Junto com a excelência de qualidade, os preços alcançaram os melhores patamares dos últimos anos. A saca é comercializada por R$ 82,00, valor 37% acima da média de 2019. Cerca de 82% da produção já está vendida.

FEIJÃO E MILHO

O boletim também relata que a estiagem afetou produtores de feijão que fizeram o plantio em agosto e início de setembro. Os que deixaram para plantar a partir da segunda quinzena de setembro tiveram mais sorte. De forma geral, a produção estimada de 298 mil toneladas para a safra 2020/21 não deve ter problema. Aproximadamente 78% das lavouras estão em condições boas e 20%, médias.

A 1.ª safra de milho também está com 77% da área plantada em condições boas, o que deve contribuir para atingir a produtividade média esperada. A previsão é de 3,4 milhões de toneladas em área estimada de 355 mil hectares. As principais regiões produtoras nesta safra são Ponta Grossa, Guarapuava, Curitiba e Irati.

SOJA E TRIGO

A soja já está semeada em aproximadamente 97% dos 5,56 milhões de hectares previstos para a safra 2020/21. Com 74% das lavouras em condições boas e 24%, médias, a estimativa é de produção de 20,5 milhões de toneladas, cerca de 1% inferior ao ciclo anterior. Já estão comercializados 42,5% da produção, volume bem superior aos 22,3% nesse mesmo período do ano passado.

O trigo está 100% colhido e 72% já comercializado. A produção mostrou leve retração em relação a outubro, totalizando 3,05 milhões de toneladas.

O volume é 17% menor que o potencial estimado. Mesmo assim, é 43% superior à produção obtida em 2019, quando a seca e as geadas foram ainda mais prejudiciais.

MARACUJÁ E MANDIOCA

O documento do Deral traz um amplo relato sobre a cultura do maracujá. No Brasil, é cultivado em 41,6 mil hectares, com produção de 593,4 mil toneladas.

O Paraná responde por 2,8% da produção nacional e é importante nos municípios onde é explorado, por gerar emprego e renda. Por ser fruta exótica tropical, o suco é mais disseminado no comércio internacional.

O final do ano e a entressafra provocaram redução no ritmo das indústrias de fécula e farinha de mandioca. A safra 2019/20 está com 90% dos 148 mil hectares colhidos. Para a próxima safra, a previsão é o plantio cobrir 149 mil hectares com produção de 3,4 milhões de toneladas de mandioca em raiz. Até o momento, 98% estão plantados.

PECUÁRIA E APICULTURA

O boletim analisa, ainda, os impactos da estiagem na cadeia pecuária de bovinos de corte e leite. Em relação aos primeiros, a seca atrasou o plantio de pastagens de inverno e, consequentemente, a engorda. Com isso, houve alta nos custos de produção, que refletiram no preço da arroba. A cadeia leiteira sofreu com o mesmo problema, agravado pelo fato de a queda de produção ser imediata.

Na apicultura, o registro é para o crescimento de 9,5% na produção nacional de mel em 2019, alcançando 45.981 toneladas. Este ano, o Brasil reforçou a exportação do produto, com crescimento de 58,7% em relação a 2019, alcançando 38.128 toneladas. O Paraná ficou em terceiro lugar na exportação, com 8.238 toneladas, volume 35,7% superior a 2019.

Informações da Agência Estadual de Notícias.

PUBLICIDADE

Recomendados