Nova nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil

Cotidiano

01 de dezembro de 2020 13:35

Da Redação


Relacionadas

Covid-19: Saúde recruta 2,5 mil profissionais para atuar em Manaus

Manaus transfere 235 pacientes com covid-19 para 7 estados

Tudo pronto para a realização do Enem 2020 neste domingo

Ministério da Saúde envia 80 cilindros de oxigênio para Manaus
Peugeot e Fiat se fundem para formar novo grupo automotivo
Entidades pedem suspensão do Enem no Paraná
MP denuncia 11 pessoas pelo incêndio no Ninho do Urubu
Governo argentino relatou a presença dos gafanhotos nas cidades de Campo Viera e Itacaruaré Foto: Banda B/Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

Insetos estão em cidades da Argentina que fazem fronteira com municípios do Rio Grande do Sul

O governo da Argentina alertou para uma nova nuvem de gafanhotos que se aproxima de cidades do Rio Grande do Sul Na última sexta-feira, 27, o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), órgão do governo argentino, relatou a presença dos gafanhotos nas cidades de Campo Viera e Itacaruaré, na província de Misiones, que faz fronteira com os municípios brasileiros de Rincão Vermelho e Porto Xavier. Até o momento, os insetos, que foram observados em três fazendas de Campo Viera e em uma em Itacaruaré, não causaram grandes prejuízos, atacando apenas algumas lavouras de erva-mate. De acordo com profissionais argentinos, os gafanhotos que compõem a nova nuvem não são da mesma espécie dos que chegaram a se aproximar do Brasil em agosto, para os quais uma emergência foi declarada. Este novo tipo, conhecido como tucura, são principalmente do gênero Zoniopoda e da espécie Chromacris speciosa, que não costumam se deslocar a grandes distâncias. Isso pode evitar a entrada do grupo em território brasileiro.

Ainda sim, técnicos brasileiros e do país vizinho estão monitorando a locomoção dos insetos e pedem para que os agricultpres dos dois territórios comuniquem as autoridades em caso de qualquer novidade. Desde o início do ano, a Argentina acompanha as nuvens de gafanhotos que se formam em todo o país. Até agosto, nove grupos do inseto viajavam pelo território. Ainda no oitavo mês, técnicos argentinos eliminaram a nuvem que trazia mais riscos ao Brasil, localizada também na divisa com o Rio Grande do Sul.

PUBLICIDADE

Recomendados