PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Hampf faz balanço da gestão à frente da Setur

Cotidiano

30 de dezembro de 2020 19:20

Da Redação


Relacionadas

Aulas presenciais no Paraná não serão retomadas segunda

Paraná terá ‘lockdown’ a partir deste sábado

Desemprego recua para 13,9% no 4º trimestre

ACIPG diz que vacinação tem efeitos positivos na economia
Ratinho anuncia novas medidas no Paraná às 11h
Polícia Federal apreende 154 kg de crack no Paraná
Nova embaixadora do Haiti visita o Paraná
Segundo o secretário, uma das ações mais importantes desenvolvidas nos últimos anos foi a consolidação da “indústria do turismo” em PG Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Segundo o secretário, uma das ações mais importantes desenvolvidas nos últimos anos foi a consolidação da “indústria do turismo” em PG

O secretário municipal de Turismo, Edgar Hampf, avalia que em 2020, mesmo com a pandemia tendo provocado uma das piores crises humanitárias da história, os últimos anos foram fundamentais para a consolidação da ‘indústria turismo’ em Ponta Grossa. De acordo com o secretário, que assumiu a pasta em março de 2018 – a convite do prefeito Marcelo Rangel e da então presidente da Fumtur e vice-prefeita, Elizabeth Schmidt - as bases atuais da atividade turística em Ponta Grossa, tanto em número de produtos quanto de empreendimentos, são inéditas. “É inegável que a cidade experimentou um ‘boom’ na atividade turística, nos últimos anos. Estávamos, todos nós da administração municipal, trabalhando justamente nesse sentido: permitir que o setor ganhasse autonomia, musculatura e sustentabilidade”, aponta. Entre as iniciativas de forte impacto a curto e médio prazo, o secretário destaca o investimento na qualificação dos serviços de gastronomia – hoje uma vertente forte na economia local, com reflexos importantes em diversas áreas, especialmente na geração de emprego e renda – bem como a profissionalização na formatação de produtos turísticos, a começar pela estruturação, idealizada pela SeTur, em parceria com o Sebrae/PR e a Associação das Microcervejarias dos Campos Gerais, da Rota da Cerveja. “Este é um de nossos melhores produtos e, com toda certeza, terá grande visibilidade e atratividade tão logo a comunidade supere o drama da pandemia”, analisa Hampf. Entre as iniciativas mais marcantes do período, o secretário também listou o programa Caminhos de Ferro, com a volta dos passeios de locomotiva, bem como a retomada da Festa do Colono em Guaragi. Isso sem contar que os recursos programados para a lei de incentivo a eventos geradores de fluxo turístico vieram num crescendo, a partir de 2018. “Em 2018, a lei se consolidou. Em 2019, alcançamos praticamente o limite e, para este ano, conseguimos duplicar a autorização de investimento direto, alicerçando o setor de eventos – duramente atingido pela pandemia – para os próximos períodos, e garantindo assim dezenas de iniciativas com forte impacto”, avalia o secretário. Outro ponto destacado pelo secretário Edgar Hampf é o estímulo às iniciativas de cunho privado. “Turismo é investimento. Conseguimos avançar muito, mesmo contando com um dos menores orçamentos do município, justamente por conta dessa forma de atuar: o papel da SeTur tem sido o de fomentar novos negócios, prospectando oportunidades e divulgando os serviços e produtos existentes”. Essa tendência tem se revelado bastante efetiva, tendo em vista os números registrados – em período pré-pandemia – nas receitas de ISS, por exemplo, “mas principalmente no número e na qualidade dos novos prestadores de serviços que se instalaram na cidade ou ampliaram seus serviços”. Um bom exemplo foi a Revoada de Balões, que levou uma multidão ao parque de Vila Velha (ainda na primavera de 2019, portanto antes da pandemia) e que além de dar visibilidade ao parque em si, ainda demonstrou a imensa procura por esse novo serviço, já adotado pelo próprio Parque de Vila Velha, agora concedido à iniciativa privada, e também por operadores particulares.


Turismo Rural e Ecoturismo 

“Com ousadia e inteligência, conseguimos oferecer condições para que mesmo diante de medidas de restrição no cotidiano, parques e áreas naturais de interesse turístico de Ponta Grossa fossem as primeiras a ser reabertas, no Paraná”, aponta Edgar Hampf. Um protocolo de segurança – o secretário também respondeu, desde março, pela Secretaria Extraordinária de Emergência do Município – foi estipulado e oferecido aos operadores de parques e áreas naturais, resultando numa retomada de operações meses antes de outras regiões do Estado. Na esteira da consolidação do turismo rural e do ecoturismo, relata o secretário Edgar Hampf, Ponta Grossa assistiu, mesmo durante a pandemia, e com o país vivendo dias extremamente difíceis, o surgimento de novos empreendimentos nas áreas de turismo rural, guiamento, turismo receptivo e até mesmo novos parques. “Para esse setor, este é um dos melhores momentos. Com a obediência às regras sanitárias, esses atrativos conseguiram não só manter suas operações como, em diversos casos, multiplicar o número de visitantes, possibilitando novos investimentos e novas oportunidades de emprego”, historia. Dois exemplos desse foco são o Buraco do Padre, que vem se fortalecendo como um dos principais produtos turísticos do Sul do país, com uma ação publicitária agressiva e criativa, e a Fazenda Capadócia, que mesmo nascente, é uma referência em turismo de experiência natural na região. “Empresários como os diretores desses empreendimentos, que têm ousadia e confiança, são essenciais para o fortalecimento do turismo e, consequentemente, da economia da cidade e da região”, declara Hampf. Parcerias com instituições de ensino superior, notadamente a UEPG e a Unicesumar, resultaram em programas, ações e iniciativas de forte impacto e com reflexos duradouros. “Somos imensamente gratos às diretorias e equipes da UEPG e da Unicesumar, pelo apoio e pelas ações compartilhadas nesse período. Sua participação foi fundamental em diversos processos e, acredito, deve ter caráter permanente”. Além disso, durante essa gestão foram tomadas medidas de forte impacto, como o resgate da tradição germânica para a Munchenfest e sua popularização – desde 2018, a festa é promovida no centro da cidade, com acesso gratuito e livre, e tem foco na gastronomia e na cultura alemã, como havia sido idealizada há 30 anos. “São mudanças que impactaram positivamente a economia local, com ações planejadas para preservar empregos, renda e movimento do empreendedor ponta-grossense, e com potencial para atrair cada vez mais turistas”, anota o secretário.

 

Vila Velha, um orgulho permanente 

“Ter tomado parte no processo de concessão e reabertura do parque estadual de Vila Velha é um orgulho imenso”, registra o secretário Edgar Hampf.

“Desde o início de nossa passagem pela Secretaria Municipal de Turismo, atuamos em todas as frentes para que o processo fosse efetivado e de modo rápido e transparente. Em todas as oportunidades, mesmo enfrentando resistências pontuais e adversidades políticas, fizemos tudo que estava ao nosso alcance para alinhavar um processo extremamente importante para o turismo de Ponta Grossa e do Paraná”, ressalta o secretário.

 O fato de Vila Velha ter sido o primeiro parque estadual a ser concedido à iniciativa privada, é também simbólico, segundo o gestor da Setur: “isso demonstra a importância que Ponta Grossa e Vila Velha têm, para as ações estratégicas do turismo no governo do Paraná. Hoje o parque passa pelo melhor momento de sua história e tende a crescer muito mais. Seus reflexos para a economia de Ponta Grossa e de toda a macrorregião são muito expressivos e propulsores de um desenvolvimento ainda maior”, destaca Hampf.

PUBLICIDADE

Recomendados