PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

MP denuncia 11 pessoas pelo incêndio no Ninho do Urubu

Cotidiano

15 de janeiro de 2021 20:00

Da Redação


Relacionadas

Valor médio do auxílio emergencial será de R$ 250

Megaoperação contra crimes é deflagrada no Brasil

Projetos incentivam mulheres na odontologia

As melhores dicas sobre o jackpot online
Família real temia que pele de herdeiro fosse muito 'escura'
Quase mil pacientes esperam por leito para covid no PR
Paraná é o segundo maior produtor de batatas no Brasil
10 atletas do Flamengo morreram no incêndio Ninho do Urubu Foto: Infoesporte
PUBLICIDADE

MP pede a condenação dos envolvidos, incluindo o ex-presidente do Flamengo, por incêndio culposo que terminou em mortes no Ninho do Urubu

Perto de completar dois anos do ocorrido, o Ministério Público do Rio denunciou onze pessoas pelo incêndio que matou dez adolescentes da base do Flamengo em fevereiro de 2019. Entre os denunciados estão o ex-presidente do clube Eduardo Bandeira de Mello, quatro pessoas da empresa que forneceu os contêineres que pegaram fogo, funcionários do clube e prestadores de serviços. Embora parte dos problemas identificados pelas investigações tenham ocorrido em 2019, véspera do incêndio, nenhum dirigente da atual gestão foi denunciado.

Se aceita a denúncia, eles vão responder por incêndio culposo (sem intenção) que terminou na morte (de dez pessoas) e lesão corporal grave, no caso dos três jovens que sobreviveram. Como não foram denunciados por homicídio e, sim por incêndio culposo, eles não vão a júri popular. A denúncia foi distribuída para a 36ª Vara Criminal.

Três novos nomes foram incluídos na denúncia, que não constavam entre os indiciados pela Polícia Civil. Entre eles, o do então diretor da base, Carlos Noval, que atualmente é gerente de transição da categoria. Os fatos questionados sobre sua conduta são referentes ao cargo que exercia na gestão anterior. O MP também pede que os denunciados sejam condenados a "reparar os danos" sofridos pelas vítimas.

Para o Ministério Público, a principal causa do incêndio foi um curto-circuito provocado pela instalação elétrica que alimentava o ar condicionado dos alojamentos. Segundo as investigações, dois aparelhos de ar dos alojamentos começaram a apresentar pane no fim de janeiro de 2019.


Quem foi denunciado

Eduardo Carvalho Bandeira de Mello, Antonio Marcio Garotti, Carlos Renato Mamede Noval, Marcelo Maia de Sá, Luiz Felipe Almeida Pondé, Claudia Pereira Rodrigues, Weslley Gimenes, Danilo da Silva Duarte, Fabio Hilário da Silva, Edson Colman da Silva, Marcus Vinicius Medeiros.

Com informações do Portal G1

PUBLICIDADE

Recomendados