PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro

Cotidiano

18 de janeiro de 2021 11:00

Agência Brasil


Relacionadas

Maior produtor mundial de vacinas pede paciência a países

Confiança da Indústria recua na primeira prévia do mês

Ferramenta ajuda escolas públicas a compartilhar livros

Carteira de Trabalho Digital tem mais de 303 milhões de acessos
IAT orienta sobre criação amadora de pássaros nativos
Cartilha alerta idosos sobre uso consciente de aposentadorias
Projeto busca conscientizar crianças sobre abuso sexual
Foto: Reprodução/Miguel Ângelo/CNI
PUBLICIDADE

IBC-Br ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros 

A atividade econômica brasileira registrou alta em novembro do ano passado, de acordo com dados divulgados hoje (18) pelo Banco Central (BC). É o sétimo mês consecutivo de crescimento, após as quedas de março e abril, devido às medidas de isolamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia de covid-19.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), dessazonalizado (ajustado para o período), apresentou expansão de 0,59% em novembro em relação a outubro. Mas na comparação com novembro de 2019, houve queda de 0,83% (sem ajuste para o período, já que a comparação é entre meses iguais).

Em 12 meses encerrados em novembro, o indicador também teve queda de 4,15%. No ano, o IBC-Br ficou negativo em 4,63%.

Taxa básica de juros

O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic, definida atualmente em 2% ao ano. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

O indicador foi criado pelo Banco Central para tentar antecipar, por aproximação, a evolução da atividade econômica. Entretanto, o indicador oficial é o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o mercado financeiro, o PIB deve registrar queda de 4,37%, em 2020.

PUBLICIDADE

Recomendados