PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Município do Paraná busca a Indicação Geográfica

Cotidiano

21 de janeiro de 2021 14:00

Da Redação


Relacionadas

Caixa lança nova linha de crédito no setor imobiliário

Núcleo da UFPR adia prova do concurso da PM do Paraná

Órgãos se unem para combater fura-filas da vacinação no PR

PR tem mais 5.622 positivados e 110 mortes pela covid-19
Alep garante R$ 100 mi para compra de vacinas no PR
Fiep pede alterações no modelo de concessões de rodovias
BRDE diversifica fontes de captação com oferta de títulos
Combinação de clima, solo, temperatura e umidade resulta em uvas com menor teor de acidez em Bituruna Foto: Michele B. Rosso
PUBLICIDADE

Solicitação está relacionada aos vinhos produzidos com as uvas bordô e casca dura em Bituruna

Produzidos em Bituruna, no sul do Paraná, há 80 anos, as uvas e vinhos motivaram a mobilização para pleitear a Indicação Geográfica (IG), na modalidade Indicação de Procedência, junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O pedido da IG é para o vinho produzido com as variedades de uvas bordô e casca dura (também conhecida como martha), da espécie americana Vitis labrusca. A iniciativa é da Associação dos Produtores de Uva e Vinho de Bituruna (Apruvibi), com apoio do Sebrae/PR e Prefeitura de Bituruna. O município, inclusive, foi reconhecido como capital paranaense do vinho, pela Lei nº 20.241, de 18 de junho de 2020.

 A enóloga Michele Bertoletti Rosso, presidente da Apruvibi, integra a quarta geração da família que produz uvas e tem uma vinícola em Bituruna. “A produção de uvas e vinhos no município começou com mudas vindas do Rio Grande do Sul, há 80 anos. Solicitamos apoio do Sebrae para comprovar que os vinhos e uvas produzidos aqui são diferentes”, explica. O fórum Origens Paraná e o IDR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - Iapar - Emater) também apoiam o processo.

 Michele conta que o pedido de IG é restrito à delimitação geográfica do município. Atualmente, Bituruna conta com quatro vinícolas e 94 produtores de uvas, a grande maioria da agricultura familiar. Segundo dados do IDR, são 95 hectares de cultivo de uvas em fase de produção e 20 hectares em fase de implantação, o que corresponde a uma produção média anual de 1.034 toneladas de uva. O processo para o reconhecimento começou há oito meses, com a reestruturação da Apruvibi.

“As características de altitude, amplitude térmica, clima e solo resultam em condições específicas e características únicas nos vinhos produzidos em Bituruna”, ressalta Michele.

 A enóloga dá exemplos. A uva bordô, em outras regiões, é mais ácida e usada em cortes com outras variedades, na produção de vinhos. Em Bituruna, pelas condições, é uma uva frutada, possibilitando “a produção de um vinho aveludado, macio, com 100% de uva bordô.”

 Já a uva casca dura tem melhor maturação no município do que em outras regiões, segundo Michele. Um vinho produzido pela vinícola da família dela, a partir da uva foi premiado com a medalha de ouro em um concurso, no ano passado. “A casca dura tem aqui uma maturação diferente, que resulta em aromas diferenciados”, completa Michele.

 Alyne Chicocki, consultora do Sebrae/PR, conta que a instituição contribuiu em todo o processo de montagem do dossiê, além de colaborar com o estatuto da associação, caderno de especificações técnicas, signo distintivo, rastreabilidade e normas de produção, entre outros quesitos.

 “Para ter o reconhecimento de Indicação Geográfica, além de pertencer ao território de Bituruna, é preciso produzir conforme as especificações do caderno técnico”, alerta Alyne.


Valorização

O movimento em busca da Indicação Geográfica, além de fortalecer a cadeia produtiva de uvas e vinhos, também pretende despertar o interesse dos consumidores. “A intenção é que as pessoas passem a olhar com mais atenção para os produtos regionais e diferenciados. Os vinhos e uvas de Bituruna têm características únicas resultantes do terroir [termo em francês que resume a interrelação peculiar entre o clima, relevo, temperatura, umidade e solo de um determinado lugar sobre a identidade de um vinho]”, destaca Alyne.

 A consultora do Sebrae/PR ressalta que os países europeus perceberam há muito tempo a importância das Indicações Geográficas para valorização do produto local. “Lá, existem mais de quatro mil IGs. No Brasil, são 73”, enumera. O Paraná tem, atualmente, nove IGs. O reconhecimento mais recente foi o das balas de Banana de Antonina, no final do ano passado.

 A região já conta com uma IG, que é a erva-mate São Matheus – do sul do Paraná. Completam a lista: o melado de Capanema; a goiaba de Carlópolis; o queijo de Witmarsum; a uva de Marialva; o mel do Oeste do Paraná; o mel de Ortigueira; e o café do Norte Pioneiro. Do litoral, aguardam a certificação o barreado, a farinha de mandioca e a cachaça e aguardente de Morretes.

 Nesta sexta-feira, dia 22, às 19h, acontece o lançamento do signo distintivo dos Vinhos de Bituruna, além de celebrar o protocolo de solicitação da IG junto ao INPI, que vai avaliar o processo. O evento pode ser acompanhado pelo Facebook da Prefeitura do município.

PUBLICIDADE

Recomendados