PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Deputado do Paraná defende privatização da Petrobras

Cotidiano

22 de fevereiro de 2021 16:20

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Estado movimenta R$ 2, 9 bi em contas públicas

PR soma 1,9 milhão de doses aplicadas contra a Covid-19

Pai, mãe e filho morrem de Covid-19 na mesma semana

'Gato do tráfico' é interceptado antes de entrar em presídio
Irmãs de 6 e 5 anos morrem abraçadas após casa pegar fogo
Bebê faz ‘V de vitória’ durante ultrassom e pai vê sinal divino
Celepar arrecada livros para incentivar a leitura
“O presidente agiu mal e a reação do mercado prova isso", citou o parlamentar sobre a troca de presidência na Petrobras Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Paulo Eduardo Martins (PSC-PR) citou que única saída para pressionar os preços para baixo é privatizar a estatal

O deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR) tem uma opinião clara: “A única saída para a Petrobras é a privatização”. E complementa: “ O país tem que garantir uma abertura efetiva do mercado, para gerar maior concorrência e assim pressionar os preços pra baixo”.

A declaração vem depois que o presidente Jair Bolsonaro decidiu interferir na estatal e nomear um novo presidente para a estatal.

“O presidente agiu mal e a reação do mercado prova isso. E não tem a ver com a figura do general Silva e Luna, que pode ser até uma boa surpresa. Tem a ver com a mensagem de interferência da mão forte do estado”, analisa o parlamentar. Paulo Eduardo Martins mantém uma postura coerente em relação a uma agenda liberal, em favor de privatizações e de uma abertura efetiva do mercado.

Na última sexta-feira (19/02), Jair Bolsonaro anunciou a substituição na presidência da estatal. O nome do general Joaquim Silva e Luna precisa ser aprovado pelo conselho de administração da companhia para que ele assuma no lugar de Roberto Castello Branco. Nesta segunda-feira (22/02), as ações da Petrobras caíram cerca de 20% e ações de outras estatais também tiveram queda.

Para Paulo Eduardo Martins, ou o governo se dedica às privatizações, ou o Brasil não terá como se salvar: “Precisamos aprender com os erros dos governos passados e não repeti-los. Temos que vender o máximo de estatais possíveis, para oferecer um serviço melhor à população e fechar de vez as torneiras da corrupção e dos cabides de empregos”. 

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados