PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Justiça mantém liminar que proíbe Ford de demitir

Cotidiano

22 de fevereiro de 2021 19:01

Agência Brasil


Relacionadas

Iniciativa vai premiar startups lideradas por mulheres

Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido

Sesa divulga mais 95 mortes causadas pela Covid

Forças policiais vão intensificar fiscalização após decreto
Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo
Empresário compra carro de luxo, mas não cabe no veículo
Secretário diz que PR tem apenas 17 respiradores reservas
A empresa também continua impedida de se desfazer de bens e maquinários até a conclusão das negociações coletivas Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Montadora também está impedida de se desfazer de bens e maquinários

A Justiça do Trabalho confirmou hoje (22) a liminar que proibiu a montadora Ford de demissão coletiva dos trabalhadores da fábrica de Taubaté (SP). A empresa também continua impedida de se desfazer de bens e maquinários até a conclusão das negociações coletivas. 

A decisão foi motivada por um recurso da empresa, apresentado após a decisão proferida no dia 5 de fevereiro, que também impediu a dispensa em massa dos empregados. A liminar foi assinada nesta manhã pela desembargadora Maria da Graça Bonança Barbosa, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas. 

Na mesma decisão, a desembargadora deferiu parcialmente pedido da montadora para desobrigar a empresa de fornecer em 30 dias um cronograma de negociação coletiva e para garantir que não há mais necessidade da participação do Ministério Público do Trabalho (MPT) nas negociações entre a Ford e o sindicato da categoria. 

A Ford anunciou em janeiro o fechamento de todas as suas fábricas no Brasil, após mais de 100 anos montando veículos no país. Em nota à época do anúncio, a empresa citou, entre outros fatores, os impactos provocados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), que “amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”.

PUBLICIDADE

Recomendados