PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Bakri sugere CPI para investigar suspensão de concurso

Cotidiano

22 de fevereiro de 2021 19:18

Da Redação


Relacionadas

Forças policiais vão intensificar fiscalização após decreto

Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo

Empresário compra carro de luxo, mas não cabe no veículo

Secretário diz que PR tem apenas 17 respiradores reservas
Homem não paga combustível, apanha e é preso
Podemos apoia medidas de restrição no Paraná
Bolsonaro quer mais quatro parcelas de R$ 250 do auxílio emergencial
Deputado estadual e líder do governo exige explicações sobre suspensão da prova horas antes do concurso Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Líder do governo na Alep considera que suspensão das provas horas antes do início do concurso foi “incompetência, inconsequência ou má-fé”

Líder do Governo na Assembleia Legislativa, o deputado Hussein Bakri (PSD) propôs, nesta segunda-feira (22), a instalação de uma CPI para investigar a suspensão do concurso público da Polícia Civil do Paraná. O parlamentar considera “incompetência, inconsequência ou má-fé” a decisão tomada pelo Núcleo de Concursos da Universidade Federal do Paraná (NC-UFPR) poucas horas antes da prova, quando 106 mil candidatos – muitos de fora do Estado – já estavam em Curitiba.

“Até para não prejulgarmos ninguém, uma CPI se faz necessária. E que seja comandada pelos deputados da segurança pública, que têm capacidade e competência investigativa para ajudar o Paraná nesse caso. É muito grave o que aconteceu e estou sentindo o cheiro de sabotagem. É inadmissível expor às 5h42 problemas que deveriam ter sido colocados anteriormente. Inclusive, é preciso entrar em contato com a UFPR a respeito do concurso da Polícia Militar marcado para o mês que vem, para que não siga o mesmo caminho”, afirmou Bakri.

Para o concurso da Polícia Civil, estão abertas 400 vagas, sendo 50 para delegado, 300 para investigador e 50 para papiloscopista. O governo do estado já adiantou que deve entrar com processo administrativo por quebra de contrato contra o NC-UFPR, cuja atuação foi considerada “inaceitável” e “desrespeitosa” pelo governador Ratinho Junior.

As informações são da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados