PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Aulas presenciais podem voltar na próxima semana

Cotidiano

03 de março de 2021 19:07

Cintia Capri


Relacionadas

Projeto cria programa de saúde mental no SUS na pandemia

Arns destaca luta pela menor tarifa no pedágio do PR

CCR RodoNorte reforça avanço e compromisso com prazos

STF forma maioria para anular condenações de Lula
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022
Curitiba segue com bandeira laranja, mas amplia horários
368 mil doses de vacinas contra a covid-19 chegam ao PR
Aulas presenciais estão suspensas desde segunda-feira, mas podem voltar na próxima semana Foto: arquivo
PUBLICIDADE

Secretaria de Estado e Sindicato das Escolas Particulares querem o retorno das atividades presenciais o mais breve possível

Em meio ao momento mais crítico da pandemia no Paraná, a polêmica do retorno das aulas presenciais nas escolas tem mais um capítulo. Nesta semana o Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe/PR) entrou com um mandado de segurança pedindo o retorno das atividades presenciais nas escolas particulares associadas. O secretário de educação do Paraná, Renato Feder, também manifestou ser favorável à volta das atividades presenciais logo após o fim do atual decreto.

O Sinepe/PR, por meio de nota, afirmou que a entidade está ouvindo a população e agindo em favor dos mais de 500 associados. Segundo o presidente da entidade, Douglas Oliani, o ambiente escolar é controlado e segue uma série de protocolos estabelecidos pelo poder público. "Acatamos a paralisação da educação, mas seguimos com o nosso papel de representação das instituições particulares de ensino”, afirmou Douglas. 


Escolas Estaduais

Renato Feder também defende a volta imediata das atividades presenciais se o decreto não for prorrogado, já que os estudantes estão há um ano em atividades remotas. Segundo Feder, entre quinta (4) e sexta-feira (5) a Secretaria Estadual de Educação vai reavaliar a situação da pandemia no Paraná e definir como será a próxima semana. "Depende da pandemia e depende de todos cumprirmos o protocolo. Se o número de casos retroceder, a gente volta no dia 8 as aulas híbridas", garantiu.  O secretário reconhece a gravidade da situação, com hospitais perto do limite de ocupação, e pediu colaboração da sociedade para que o retorno seja seguro.

 

Rede Municipal

Sobre um possível retorno na próxima semana no município, a assessoria de comunicação , informou que todas as decisões são tomadas pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19  e que, até o momento, não há uma data para o retorno das atividades presenciais. A assessoria esclarece também que as aulas do foram transferidas para o sistema remoto, por meio da TV Educativa e do canal YouTube.com/SMEPontaGrossa e que as atividades estão sendo entregues pelas escolas e CMEIs, com toda a segurança necessária para pais e funcionários.

Apenas 35% das crianças matriculadas nas escolas municipais de Ponta Grossa frequentaram o ambiente escolar na primeira e única semana de ensino híbrido - que intercala semanalmente as turmas - desde o início do ano letivo em Ponta Grossa. O número corresponde à metade dos alunos autorizados pelos pais a participarem das atividades presenciais. De acordo com informações da Secretaria Municipal de educação, na semana em que as escolas abriram as portas, uma criança foi positivada com Covid-19 e as aulas foram interrompidas na unidade logo após o resultado do teste.


Famílias de Ponta Grossa dividem opiniões sobre o retorno

“Criança na escola é criança segura”, afirma Luciane Favero, mãe de duas crianças que estudam numa escola particular de Ponta Grossa. Segundo Luciane, se as aulas presenciais retornarem na próxima semana, ela se sente totalmente segura para mandá-las para a escola.

Suellen Galvão Jansen está mais preocupada e discorda. Ela tem uma filha de 15 anos que também estuda em escola particular. Caso haja o retorno das atividades, já no dia 8 de março, ela afirma que prefere manter a filha em casa. “Ela só vai quando estivermos todos mais seguros. Eu até mandei na primeira semana, mas agora não dá mais”, garante. 

PUBLICIDADE

Recomendados