PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Mulheres são 27% da força do trabalho da indústria no PR

Cotidiano

08 de março de 2021 19:20

Da Redação


Relacionadas

Câmara do Rio desliga Dr. Jairinho de Comissão de Justiça

Coronavírus impulsiona uso de assinaturas digitais

Profissionais orientam como se manter saudável na pandemia

Inscrições para Programa Qualifica Mais estão reabertas
Mais 1,2 mil novos casos de covid são confirmados no PR
Setor energético terá investimentos de R$ 3 tri até 2030
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em junho
Vínculos no setor de fios e alimentos foi maior para mulheres que para homens Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Maior empregador de mão de obra feminina é o segmento alimentício, mas confecções e artigos do vestuário é o que mais oferece oportunidades a elas proporcionalmente

Dos mais de 792 mil trabalhadores da indústria do Paraná, 27% ou quase 217 mil são mulheres. Embora ainda sejam minoria frente aos homens, elas dominam setores como o de confecções e artigos do vestuário e farmoquímico e farmacêutico, assim como apresentam maior nível de escolaridade. É o que revelam os dados mais recentes levantados pelo Observatório do Sistema Federação das Indústrias do Paraná com base na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério da Economia, e do Censo da Educação Superior (Inep), ambos de 2019.

Em números absolutos, o setor industrial com mais trabalhadoras é o de produção de alimentos, com 76 mil profissionais. Seguido por confecções e artigos do vestuário (36 mil); fabricação de produtos de borracha e material plástico (8.700); e moveleiro (8.600). Porém, proporcionalmente, a mulher domina segmentos como confecção e artigos do vestuário, representando 73% da força de trabalho.

As mulheres também fazem a diferença no setor farmoquímico e farmacêutico, em que respondem por 58% do efetivo total contratado. “Esta área exige mais qualificação e maior grau de instrução. E neste quesito, as mulheres estão se sobressaindo em relação aos homens”, avalia a gerente executiva do Observatório do Sistema Fiep, Marília de Souza, que reforça: “enquanto há um equilíbrio entre homens e mulheres em relação à conclusão do Ensino Fundamental e Médio, elas aparecem em vantagem com relação à graduação. Pouco mais de 13% das trabalhadoras possuem Ensino Superior completo contra 8% dos homens”, completa.

De acordo o Censo da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), entre 2018 e 2019, as matrículas de mulheres em cursos de graduação no Paraná foram principalmente nas áreas de Negócios, Administração e Direito (54 mil), Saúde e Bem-Estar (43 mil), Educação (31 mil) e Engenharia, Produção e Construção (23 mil).

“Aumentar a qualificação é uma forma de buscar maior estabilidade na profissão e crescer dentro da empresa em que já atuam. E isso se confirma em números. Cerca de 20% das mulheres ficam de cinco a 10 anos na mesma indústria, enquanto entre os homens o resultado é de 16%”, compara.


Tendências

O Observatório do Sistema Fiep também analisou as últimas tendências no mercado de trabalho na indústria. “Quando comparada a variação entre 2018 e 2019, o aumento de vínculos trabalhistas nos setores alimentício, celulose e papel e materiais elétricos foi maior para mulheres do que para homens”, diz a gerente executiva, Marília de Souza. Segundo ela, houve maior aumento de vínculos trabalhistas para elas neste período, proporcionalmente, nos segmentos do fumo (19,8%), construção de edifícios (17,6%), alimentos (12,8%) e celulose e papel (10,2%). Quando o assunto é em relação à faixa etária, observa-se um equilíbrio maior entre homens e mulheres contratados na indústria. A maioria tanto de homens quanto de mulheres admitidas tem entre 30 e 49 anos.

Por fim, dados do Novo Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – do Ministério da Economia, sobre o mercado de trabalho no ano passado (2020), sinalizam que quando considerada a diferença entre postos de trabalho abertos e fechados, os setores industriais com maior saldo positivo para trabalhadoras foram o de alimentícios (7 mil), madeira (982) e móveis (802). No total, o saldo de vínculos trabalhistas entre as mulheres foi positivo, com 9.092 novos postos de trabalho criados em relação a 2019. Esse dado é significativo, particularmente considerando que 2020 foi um ano marcado por uma grave crise sanitária e econômica.

As informações são assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados