PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Pauliki comemora compra de vacinas por empresas

Cotidiano

08 de abril de 2021 10:51

Da Redação


Relacionadas

Impostos, vacinação e pedágio serão debatidos na Alep

Nova ajuda financeira para cidades é publicada em decreto

Projeto em PG oferece aulas de música para adolescentes

Anvisa explica aos senadores a não aprovação da Sputnik V
Pequenos negócios usam da criatividade no Dia das Mães
Com pá e faca, sueco aterroriza pousada em Curitiba
Nascidos em junho podem sacar auxílio emergencial
Um abaixo-assinado foi feito pedindo aprovação do texto-base. Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O empresário ressalta que, uma das alternativas é buscar vacinas em laboratórios que ainda não firmaram contratos com a administração pública, pois isso contribuirá para acelerar o processo de aquisição

A Câmara dos Deputados aprovou, na última terça (6), o texto-base que permite a compra de vacinas contra a Covid-19 por empresas, com a finalidade de imunizar gratuitamente seus funcionários, desde que 50% das doses adquiridas sejam doadas ao SUS (Sistema Único de Saúde). Um dos motivos que acelerou a aprovação foi o abaixo-assinado, liderado pelos empresários Luciano Hang, Carlos Wizard, com apoio de demais empresários, como Marcio Pauliki, que solicitavam a liberação da compra da vacina.

Pauliki, vice-presidente da Lojas MM, enfatiza que a aprovação foi um passo importante para uma imunização mais rápida dos brasileiros. “Agradecemos a todos que apoiaram e participaram de nosso abaixo-assinado a favor da compra de vacinas pela iniciativa privada. Porque nossa intenção é que essas vacinas sirvam de complemento a imunização no país, será uma compra a mais, além daquelas que já são reservadas aos governos”, garante.

O empresário ressalta que, uma das alternativas é buscar vacinas em laboratórios que ainda não firmaram contratos com a administração pública, pois isso contribuirá para acelerar o processo de aquisição, distribuição e aplicação da vacina no país. Porém, caso a compra seja em laboratórios que já possuem contratos com o Governo Federal, essas só poderão ser efetuadas após ocorrer o cumprimento integral do contrato e da entrega dos imunizantes ao Ministério da Saúde.

O projeto também exige que as empresas, ao vacinarem seus funcionários, sigam os critérios de prioridades, estabelecidos no Programa Nacional de Imunizações (PNI).  Caso o projeto seja aprovado pelo Senado, as empresas poderão contratar estabelecimentos de saúde, como hospitais, farmácias e clínicas de vacinação, que tenham autorização para importar e aplicar as vacinas nos colaboradores.

PUBLICIDADE

Recomendados