PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Lei que obriga escolas a ter Bíblia é inconstitucional, decide STF

Cotidiano

13 de abril de 2021 17:15

Da Redação


Relacionadas

Saúde distribuirá mais de 1 milhão de vacinas da Pfizer

Paraná registra mais 2.095 casos da covid-19 e 33 óbitos

Polícia interrompe festa clandestina com 600 pessoas

Destroços de 20 toneladas de foguete caem no Oceano Índico
Bolsonaro faz passeio de moto para homenagear Dia das Mães
Prefeitura forma alunos de curso de capacitação on-line
Dupla suspeita de invadir casa para assaltar morre baleada
Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil
PUBLICIDADE

Decisão foi unânime em julgamento no plenário virtual

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por unanimidade, ser inconstitucional lei estadual que obrigue escolas e bibliotecas a manterem ao menos um exemplar da Bíblia em seus acervos. Com a decisão, foi derrubado trecho de uma lei do Amazonas que impunha a obrigatoriedade.

O julgamento foi realizado em plenário virtual, ambiente digital em que os ministros têm uma janela de tempo para votar por escrito, sem debate oral. Nesse caso, a sessão se encerrou às 23h59 de ontem (12). A ação direta de inconstitucionalidade foi aberta pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em 2015.

Todos os ministros seguiram o voto da relatora, ministra Cármen Lúcia. Para ela, o Estado não pode exigir uma obra sagrada em detrimento de outras, pois precisa ser neutro e independente em relação a todas as religiões. Exigir somente a Bíblia violaria os princípios da laicidade estatal, da liberdade religiosa e da isonomia dos cidadãos, argumentou.

“Na determinação da obrigatoriedade de manutenção de exemplar somente da Bíblia, a lei amazonense desprestigia outros livros sagrados quanto a estudantes que professam outras crenças religiosas e também aos que não têm crença religiosa alguma”, escreveu Cármen Lúcia.

PUBLICIDADE

Recomendados