PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para 2022

Cotidiano

15 de abril de 2021 15:00

Agência Brasil


Relacionadas

Saúde distribuirá mais de 1 milhão de vacinas da Pfizer

Paraná registra mais 2.095 casos da covid-19 e 33 óbitos

Polícia interrompe festa clandestina com 600 pessoas

Destroços de 20 toneladas de foguete caem no Oceano Índico
Bolsonaro faz passeio de moto para homenagear Dia das Mães
Prefeitura forma alunos de curso de capacitação on-line
Dupla suspeita de invadir casa para assaltar morre baleada
Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE
PUBLICIDADE

Tribunal realiza amanhã audiência pública sobre a licitação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza amanhã (16) uma audiência pública sobre a compra de até 176 mil urnas eletrônicas adicionais para as eleições de 2022, quando os eleitores votam para os cargos de presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

A audiência pública é a primeira etapa no processo de licitação, conforme previsto na Lei das Licitações (Lei 8.666/1993). Caso seja concretizada, esta será a segunda compra de urnas eletrônicas para as eleições de 2022.  

De acordo com as justificativas do edital da nova licitação, a compra adicional é necessária para substituir equipamentos adquiridos em 2009, hoje obsoletos. “Assim, nas Eleições 2022 está prevista a utilização das urnas modelos 2010, 2011, 2013, 2015, 2020 e 2022”, diz o documento.

Em julho do ano passado, o TSE homologou um outro contrato, no valor de R$ 799 milhões, com a empresa Positivo, para a compra de 180 mil urnas eletrônicas, ao preço de R$ 4,4 mil cada. Nesse caso, a licitação havia começado em 2019, mas atrasos provocados por contestações entre os concorrentes inviabilizaram a utilização dos equipamentos já nas eleições municipais de 2020.

Ao comunicar ao plenário do TSE sobre a realização da audiência pública, o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta quinta-feira (15) que a Justiça Eleitoral estuda alternativas mais baratas que as urnas eletrônicas para a realização do voto. “Mas, até o momento, não temos nada que nos dê segurança plena e, portanto, ainda dependemos das urnas que têm se revelado seguras ao longo dos anos”, afirmou.

PUBLICIDADE

Recomendados