PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Mortes por covid representam 52% dos óbitos em março

Cotidiano

16 de abril de 2021 18:30

Da Redação


Relacionadas

Confronto em Jerusalém deixa 300 feridos em mesquita

Bolsonaro promete isentar motos de pedágio em rodovias

Butantan entrega hoje mais 2 milhões de doses de vacina CoronaVac

Motorista bêbado prensa policial contra parede no PR
'Rede estadual está preparada', diz secretário do PR
PR recebe 67,8 mil doses da Pfizer nesta segunda
Manvailer é interrogado por 11 horas no Tribunal do Júri
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Novo coronavírus matou 5.838 paranaenses segundo dados dos Cartórios que também registraram a menor variação entre nascimentos versus óbitos na história

Março, o pior mês da pandemia no Paraná, com um total de 5.838 óbitos registrados por Covid-19 em Cartórios de Registro Civil até esta segunda-feira (12.04), trouxe também uma triste marca que simboliza o impacto do vírus na história do Estado. A doença causada pelo novo coronavírus representou 52% do total de óbitos por causas naturais (mortes por doenças) no Estado, totalizadas em 11.094 até esta data.  

Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil (https://transparencia.registrocivil.org.br/inicio), base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), cruzados com os dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil, promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos dados dos próprios cartórios brasileiros.

O número de óbitos por Covid-19, que no auge da 1ª onda, em julho de 2020, chegaram a representar 21,6% dos óbitos por causas naturais no Estado, já havia dado sinais de que estava voltando a crescer em dezembro, representando 31,2% dos óbitos por doenças, mantendo números altos em janeiro (28%) e fevereiro (28,7%). Ao atingir 52,5% das mortes por doenças no Paraná, a Covid-19 multiplica por cinco seu impacto no total dos óbitos naturais em relação a fevereiro passado, até então o mês mais mortal.

“É pelo Portal da Transparência que temos as informações mais fidedignas da real situação que reflete a pandemia. Através das informações que os cartórios repassam diariamente temos como mensurar a gravidade deste momento. Os dados refletem a importância de se ter conscientização para passarmos por isso”, destaca Elizabete Regina Vedovatto presidente do Instituto do Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado do Paraná (Irpen/PR). 

Já o Brasil, que teve um total de 75.780 óbitos registrados por Covid-19 em Cartórios de Registro Civil até esta segunda-feira (12.04), também foi impactado pela triste marca que simboliza o impacto do vírus na história do País. A doença causada pelo novo coronavírus representou 48% do total de óbitos por causas naturais (mortes por doenças) no País, totalizadas em 171.211 até esta data.  


Mortes x Nascimentos

Outro número impactante da pandemia no Paraná se refere à comparação entre o número de nascimentos e os óbitos registrados nos Cartórios de Registro Civil. A diferença entre eles, que sempre esteve em média na casa dos 7.185 – em média, nascem 7.185 crianças a mais do que a quantidade de óbitos registrados ao mês – caiu drasticamente a “apenas” 1.217 nascimentos, chegando a uma redução de 6.598 em relação à média histórica, e à metade dos cerca de 5.862 registrados nos meses desde o início da pandemia.

A queda abrupta acontece mesmo em meio a uma “reação” das gestações no mês de março, que registrou um total de 12.957 nascimentos, 83,8% a mais do que fevereiro. No entanto, o vertiginoso aumento no número total de óbitos, que atingiu a marca histórica recorde de 11.724 mortes em março deste ano, impediu que o Estado avançasse na equação nascimentos versus óbitos, que vem caindo desde o agravamento da pandemia em janeiro deste ano.

No Brasil, a diferença entre nascimentos e óbitos, que sempre esteve em média na casa dos 137 mil – em média, nascem 137 mil crianças a mais do que a quantidade de óbitos registrados ao mês – caiu drasticamente a “apenas” 48.086 mil nascimentos, chegando a uma redução de 90 mil em relação à média histórica, e à metade dos cerca de 90 mil registrados nos meses desde o início da pandemia.

O número de óbitos registrados no mês de março de 2021 ainda pode vir a aumentar, assim como o número de nascimentos e a variação das médias e da comparação entre nascimentos e óbitos para o período, uma vez que os prazos para registros chegam a prever um intervalo de até 15 dias entre o falecimento e o lançamento do registro no Portal da Transparência. Além disso, alguns estados brasileiros expandiram o prazo legal para comunicação de registros em razão da situação de emergência causada pela COVID-19. Os nascimentos também possuem prazo legal a ser observado, tendo os pais até 15 dias para registrar o recém-nascido em cartório.

PUBLICIDADE

Recomendados