PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Consulta sobre voto impresso já tem 590 mil participações

Cotidiano

08 de maio de 2021 19:00

Da Redação


Relacionadas

Mascote da Lojas MM surge com novo visual e ganha voz

Aneel prorroga proibição de corte de luz por inadimplência

RodoNorte repassa R$ 541 milhões para municípios

Projeto cria Instituto Médico Veterinário Legal no PR
Brasil adere a acordo para exploração pacífica do espaço
Réu devolve mais de R$ 1 mi em leilão da ‘Quadro Negro’
PR registra 3.961 novos casos e 340 óbitos pela Covid-19
Levantamento realizado na tarde deste sábado mostra equilíbrio entre as manifestações a favor e contra a proposição Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Levantamento realizado na tarde deste sábado mostra equilíbrio entre as manifestações a favor e contra a proposição 

O Senado Federal abriu uma consulta pública para ouvir a opinião da população a respeito da adesão do voto impresso em todas as urnas no próximo processo eleitoral. Até a tarde deste sábado (8) mais de 590 mil pessoas haviam votado. Para votar, basta acessar o site da Casa Legislativa (clique aqui e vote).

O resultado parcial do portal revela um equilíbrio entre as manifestações a favor e contra a proposição. O debate sobre o retorno à utilização das cédulas físicas é polêmico e levanta reações de todo o Parlamento. Recentemente, a comissão da reforma eleitoral de 2022 da Câmara dos Deputados rejeitou a implementação do uso do voto impresso em 2022.

O grupo atuou na elaboração de proposições e sugestões para serem aplicadas no texto da matéria. Todas as ideias discutidas pela comissão, em conjunto com a Abradep, foram consolidadas e entregues à relatora da reforma na Câmara, a deputada Margarete Coelho (PP-PI).


Discussão ganhou força nos EUA

A discussão do voto impresso no Brasil ganhou força após as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Apoiador de Donald Trump, Bolsonaro tomou as dores do ex-presidente republicano e questionou a legalidade do resultado da disputa, que terminou com Joe Biden eleito.

Na ocasião, Bolsonaro afirmou a apoiadores que a crise observada nas eleições dos EUA ocorrera devido à falta de confiança da população no voto. O chefe do Executivo nacional também afirmou que contestações sobre o resultado eleitoral poderão ser observadas no Brasil em 2022.

O presidente e seus apoiadores alegam que defendem o “voto auditável”, inspeção que seria permitida pela impressão dos votos de cada urna. No sistema atual, porém, já há auditorias sobre as urnas, retorquem críticos da medida.


Informações do Metrópoles

PUBLICIDADE

Recomendados