PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Deputado reafirma que tem provas contra Bolsonaro

Cotidiano

13 de julho de 2021 14:50

Da Redação


Relacionadas

Paraná tem mais 2 mil casos e 50 óbitos por covid

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 10 mi

Presidente Bolsonaro testa negativo para a covid-19

Primavera é marcada pela manifestação de alergias
Venda de imóvel de programa habitacional é proibida
Confiança do industrial no Paraná cai em setembro
Tiroteio em Curitiba resulta em suspeito morto e dois presos
Deputado federal Luis Miranda (DEM). Foto: Reprodução/TV Cultura
PUBLICIDADE

Luis Miranda (DEM) participou do programa ‘Roda Viva’, da TV Cultura, na última segunda-feira (12)

O deputado federal Luis Miranda (DEM) reafirmou na última segunda-feira (12), em participação no programa ‘Roda Viva’, da TV Cultura, que tem como provar as acusações contra o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), no caso da vacina da Covaxin. De acordo com o parlamentar, o líder do Executivo sabia das irregularidades da negociação do imunizante indiano. A Polícia Federal abriu um inquérito contra Bolsonaro, também na última segunda-feira, para investigar se o presidente cometeu crime de prevaricação sobre a situação.

Durante a entrevista no ‘Roda Viva’, Luis sugeriu que a conversa que ele e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde (MS) Luis Ricardo Miranda, tiveram com Bolsonaro foi gravada. "O presidente viu tudo, o processo inteiro (da compra da Covaxin). De fato, ele não se atenta aos detalhes da documentação técnica, mas entende que era grave", disse.

Ao ser questionado pela bancada de jornalistas do programa sobre onde estaria essa gravação, o deputado afirmou que “o presidente confirmou tudo” o que ele e seu irmão falaram, então, o assunto “está encerrado” para ele.

Por fim, Luis também relatou que conversou com o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, após falar com Bolsonaro, em março, e que ele havia reclamado da influência do ‘Centrão’ na pasta. "Ele me disse que um político colocou o dedo na cara dele e disse: 'Se não der pixuleco vai sair dessa cadeira'", concluiu o parlamentar.

Com informações: Último Segundo IG.


Assuntos semelhantes:

PF abre inquérito contra Bolsonaro no caso Covaxin.

Bolsonaro promete visita 'em breve' nos Campos Gerais.

STF abre inquérito sobre Bolsonaro no caso Covaxin.

PUBLICIDADE

Recomendados