PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Deputado do PR quer acabar com fundão eleitoral

Cotidiano

27 de julho de 2021 18:04

Da Redação


Relacionadas

Primavera é marcada pela manifestação de alergias

Venda de imóvel de programa habitacional é proibida

Confiança do industrial no Paraná cai em setembro

Tiroteio em Curitiba resulta em suspeito morto e dois presos
Profissionais de saúde vão receber dose de reforço
Alexandre Garcia é demitido ao defender tratamento precoce
Ratinho Jr. sanciona lei que destina R$ 480 mi à Educação
Deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC) é o autor da PEC. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

O fundo eleitoral para 2022 no valor de R$ 5,7 bilhões foi aprovado junto com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)

O deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC) apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que visa a extinguir os fundos eleitoral e partidário, de forma permanente. A PEC vem de encontro às pressões populares que cobram mudanças. “O povo já deixou claro que não aprova o atual modelo. Em 2019, eu já havia apresentado a proposta, mas não obtive as assinaturas necessárias. Desta vez, creio que o cenário seja mais favorável”, declara Martins.

O parlamentar tem usado o período de recesso para buscar apoio para a causa. “Ninguém deve ser obrigado a financiar partidos e campanhas”, afirma o presidente do PSC paranaense. O fundo eleitoral para 2022 no valor de R$ 5,7 bilhões foi aprovado junto com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). E anualmente, é discutido. Se a PEC for aprovada, as legendas não terão mais verba pública.

Para Paulo Eduardo Martins, o fim desses fundos também acabaria com os partidos sem representatividade. “Se essa verba não existir, sobreviverá apenas quem tiver popularidade e credibilidade para receber doações. Estará estabelecida a seleção natural, o Darwinismo partidário”.

Uma proposta de Emenda à Constituição precisa do apoio de um terço da Câmara, ou seja, 171 deputados. Só com esse número mínimo de assinaturas ela segue tramitando nas comissões.

Informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados