PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Agressores de animais podem arcar com despesas veterinárias

Cotidiano

04 de agosto de 2021 16:59

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Motorista perde o controle do carro e morre na BR-277

Paraná recebe mais 363 mil imunizantes da CoronaVac

PM apreende pasta de cocaína avaliada em R$ 7 milhões

76% defendem impeachment se Bolsonaro violar Justiça
Zé Trovão fica 'nervoso' após entregar suposto acordo
Mortes por covid caem 27% no Brasil em uma semana
UEPG divulga inscrições homologadas para o 49º Fenata
Deputado estadual Paulo Litro (PSDB). Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeto de lei foi apresentado na Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Paulo Litro (PSDB)

O deputado estadual Paulo Litro (PSDB) protocolou, na última terça-feira (3), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Projeto de Lei que determina que os agressores que cometerem crimes de maus tratos com animais arquem com as despesas de assistência e demais gastos veterinários.

“Temos verificado em todo país um aumento significativo de abandono e agressões aos animais, especialmente durante o período de pandemia. Buscamos com esse projeto contribuir para o fortalecimento dos trabalhos promovidos pelas entidades protetoras dos animais no Estado, bem como ampliar as ações de conscientização e mudança de comportamento dos agressores”, disse Paulo Litro.

O texto do projeto prevê ao agressor a obrigação de ressarcir a Administração Pública Estadual de todos os custos relativos aos serviços públicos de saúde veterinária prestados durante o tratamento dos animais. A proposta também estabelece que, em caso de sentença transitada em julgado reconhecendo a existência de agressão contra animal, será ofertado ao agressor palestras de conscientização sobre o tema a serem ministrados por Organizações e Associações que tratam da temática.

O Projeto de Lei seguirá para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alep e, caso seja aprovada, passará pelas comissões temáticas antes de ir para votação em Plenário.

Informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados