PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Grávidas com covid correm mais risco de pré-eclâmpsia

Cotidiano

18 de agosto de 2021 16:00

Da Redação


Relacionadas

Covid-19: o que se sabe até agora da variante Ômicron

Brasileiro testa positivo para covid-19 ao chegar da África

PR divulga hoje 306 novos casos e uma morte por covid

Mãe e filha morrem após veículo ser atingido por trem
Feirão da Gol tem passagens aéreas a partir de R$ 99
Praça de pedágio considerada mais cara do País é encerrada
Fim dos pedágios é marcado por som e buzinaço no PR
A conclusão é de um estudo publicado na revista Clinical Science, e aponta que gravidas com covid-19 podem desenvolver pré-eclâmpsia, que se trata de um aumento da pressão arterial durante a gestação. Foto: Reprodução/TV Brasil
PUBLICIDADE

A conclusão é de um estudo publicado na revista Clinical Science, e aponta que gravidas com covid-19 podem desenvolver pré-eclâmpsia, diagnóstico que se trata de um aumento da pressão arterial durante a gestação

Grávidas infectadas com a covid-19 correm mais risco de desenvolver pré-eclâmpsia, que é o aumento da pressão arterial persistente durante a gestação. A condição pode trazer graves complicações para a mãe e para o bebê. 

A conclusão é de um estudo coordenado no Brasil pela professora Dulce Elena Casarini, da Escola de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), publicado na revista Clinical Science.  De acordo com a pesquisadora, a presença do novo coronavírus no organismo das gestantes pode provocar alterações nos níveis de uma enzima que tem funções importantes para a circulação sanguínea na placenta, e também é receptora do vírus. 

“Por ser também receptora do SARS-CoV-2, [a placenta] acaba promovendo um risco maior em quadros de covid-19 pois o órgão se torna alvo do vírus assim como o pulmão, os rins e o coração. Vimos nesse trabalho que a resposta varia muito de uma paciente para outra, mas leva, sem dúvida, a formas graves da doença”, disse. 

Dulce Elena Casarini destaca que, de acordo com o Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 da Fiocruz, as mortes maternos em 2021 já superaram o número de 2020 e o cenário é preocupante. “Em 2020, foram 544 óbitos, com média semanal de 12,1 óbitos, considerando que a pandemia se estendeu por 45 semanas epidemiológicas. Até 26 de maio deste ano, transcorridas 20 semanas epidemiológicas, foram registrados 911 óbitos, com uma média semanal de 47,9 mil óbitos”, destacou. 

O estudo mostrou também que a infecção por SARS-CoV-2 durante a gravidez aumenta a probabilidade de hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia, mesmo entre as mulheres assintomáticas. Quadros graves de covid-19 também contribuem para nascimento de bebês prematuros. 

Novos estudos, que contam com a parceria do Centro Integrado Universitário de Saúde e Serviços Sociais de Montreal, no Canadá, buscam entender a maior disposição de gestantes a contrair o novo coronavírus e o papel da doença na pré-eclâmpsia. 

Informações da Agência Brasil.

PUBLICIDADE

Recomendados