PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Grafite pode ser tornar cultura a ser protegida no Paraná

Cotidiano

26 de agosto de 2021 16:15

Rodolpho Bowens


Relacionadas

PR propõe programa de ajuda a famílias vulneráveis

UEPG e Secc-PR disponibilizam bolsas de qualificação

PR recebe 324 mil vacinas para completar esquema vacinal

Procura por certificação técnica aumenta na pandemia
Vulcão capaz de gerar tsunami no BR entra em alerta amarelo
PL cria campanha permanente contra a importunação sexual
Klabin inicia operação em terminal ferroviário do PR
Projeto quer tornar grafite como manifestação artística de valor cultural. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil.
PUBLICIDADE

Projeto de Lei em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná quer reconhecer a prática como manifestação artística de valor cultural a ser fomentada no Estado

Um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) quer tornar reconhecida a prática do grafite como manifestação artística de valor cultural. A proposta 425/2021, protocolada pelo deputado Boca Aberta Jr. (PROS), determina que as artes sejam realizadas com o objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado, desde que autorizada por estes. “É papel do Estado garantir o acesso à cultura, como direito de cidadania. Sendo assim, este projeto de lei visa proteger e dar visibilidade ao setor de grafite por estes motivos”, diz o parlamentar na justificativa da matéria.

De acordo com a proposta, os temas dos grafites não poderão conter conteúdo publicitário. Por isso, diz o projeto, as intervenções artísticas não poderão fazer referências a marcas ou produtos comerciais. Também não poderão conter referências ou mensagens de cunho pornográfico, racista, preconceituoso, ilegal ou ofensivo a minorias, grupos religiosos, étnicos ou culturais.

Para Boca Aberta Jr., o projeto tem o poder de democratizar a arte em espaços públicos. “O grafite é um tipo de arte urbana caracterizado pela produção de desenhos em locais públicos como paredes, edifícios, ruas, viadutos. É bastante usado como forma de crítica social. Além disso, é uma maneira de intervenção direta na cidade, democratizando assim os espaços públicos”, explica o parlamentar.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia vai analisar a legalidade e constitucionalidade da matéria. Caso aprovado, o projeto de lei estará apto para ser apreciado pelas demais Comissões da Assembleia antes de seguir ao plenário.

Com informações: Assembleia Legislativa do Paraná.


Assuntos semelhantes:

Ensino domiciliar no Paraná é aprovado em 1º turno na Alep.

Assembleia Legislativa debate a retomada de eventos no Paraná.

Alep aprova projeto que delega PRs à União para novo pedágio.

PUBLICIDADE

Recomendados