PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

PL da terceira dose da vacina contra a covid vai a sanção

Cotidiano

20 de setembro de 2021 18:40

Da Redação


Relacionadas

PR receberá R$ 930 mi para investir em projetos ambientais

Assembleia vota pela criação do Departamento de Polícia Penal

CPI pedirá indiciamento de Bolsonaro, Onyx e Queiroga

87% das cidades do PR vacinam adolescentes sem comorbidade
Noite de gala assinala os 11 anos de existência do 4º CRPM
Ratinho apresenta Paraná a fundos soberanos de Abu Dhabi
Crianças órfãs pela Covid-19 recebem apoio do Estado
Vai à sanção projeto de Francischini que regulamenta terceira dose da vacina contra a Covid Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeto de lei foi escrito pelo deputado Delegado Francischini

Falta apenas a sanção do governador Ratinho Junior para virar lei o projeto do deputado Delegado Francischini que regulamenta a aplicação da dose complementar da vacina contra o coronavírus no Paraná.

A proposta foi aprovada em terceira votação nesta segunda-feira (20), na Assembleia Legislativa. Uma iniciativa local que acompanha o debate mundial para o reforço vacinal.

Francischini defende que a proposta é importante para que o Estado tenha uma legislação sobre a aplicação de doses complementares. “Ganham os paranaenses com esse projeto. O Paraná sai na frente em uma questão tão importante e poderá ser o único estado com uma lei a esse respeito”, ponderou.

Pela proposta, as doses complementares respeitarão a forma e a ordem pré-estabelecida pelo Plano Nacional de Imunização – PNI e pelo Plano Estadual de Vacinação da Secretaria de Estado da Saúde.

Com o aval da Anvisa para a aplicação de dose complementar, caberá à Secretaria de Estado da Saúde a recomendação e aplicação da vacina, bem como definir o caráter periódico, caso haja essa necessidade.

O deputado ressaltou ainda a importância do reforço a grupos mais vulneráveis como profissionais da saúde e idosos. “Os primeiros encontram-se na linha de frente do combate à Covid, ficando diretamente expostos ao contágio, enquanto os segundos são os que possuem maiores chances de complicações decorrentes da contaminação, razão pela qual, justifica-se o reforço na imunização”, acrescentou o parlamentar.

PUBLICIDADE

Recomendados