PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

CPI pedirá indiciamento de Bolsonaro, Onyx e Queiroga

Cotidiano

15 de outubro de 2021 17:44

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Criança é internada com suspeita de envenenamento

Homem diz ter HIV e ameaça vítima de furto com seringa

Governo convoca para esta sexta os nomeados de concurso

Universidade estuda uso da pele de peixes para a medicina
Saiba as datas e feriados de dezembro de 2021
Estudantes com dislexia e TDAH terão orientação integral
Conselho mantém teor de biodiesel no óleo diesel
Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido). Foto: Adriano Machado.
PUBLICIDADE

Bolsonaro deve ser responsabilizado por 11 crimes. Em coletiva na semana passada, relator da comissão já havia prometido propor indiciamento do presidente e de mais de 40 pessoas

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 confirmou o que havia prometido em entrevista coletiva concedida na semana passada e vai propor o indiciamento do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido) no texto final de seu relatório. Além dele, dois ministros titulares do governo serão responsabilizados no texto: Marcelo Queiroga (Saúde) e Onyx Lorenzoni (Trabalho).

No relatório, Bolsonaro será responsabilizado por 11 crimes. No rol de possíveis infrações cometidas, segundo o senador Renan Calheiros (MDB), estão crimes como homicídio comissivo por omissão, crime de epidemia, infração de medida sanitária, charlatanismo, crimes de responsabilidade e genocídio — este, especificamente, na questão indígena.

O ministro Marcelo Queiroga, que começou com respaldo dos senadores, acabou “se convertendo ao negacionismo de Bolsonaro”. Comentários como esse foram reproduzidos por diversas vezes durante a 'Comissão'. Especialmente durante a viagem para Nova York — onde o chefe da pasta de Saúde contraiu covid em participação da comitiva brasileira à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) —, o ministro mostrou dedo médio para manifestantes contrários ao governo e enquanto se recuperava fez postagens com conteúdo negacionista.

Queiroga também falou contrariamente ao passaporte de vacina e ao uso obrigatório de máscaras. Diante desses elementos, a CPI deve propor responsabilização pelo crime de epidemia. Outro ponto foi a suspensão da vacinação de adolescentes e a defesa do 'tratamento precoce' em participação de evento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Também devem ser incluídos na investigação os filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), pelo crime de infração de norma sanitária. Eduardo, o filho 03 de Jair, também deve ser apontado como um dos negociadores ligados a empresários que teriam financiado notícias falsas sobre o kit-covid e sobre a própria pandemia do coronavírus, como o empresário Luciano Hang.

Com informações: Correio Braziliense.


Assuntos semelhantes:

Médico será ouvido pela CPI no lugar do ministro Queiroga.

CPI ouve empresário Otávio Fakhoury nesta quinta.

Dono da Havan nega que haja fraude na Prevent Senior.

PUBLICIDADE

Recomendados