PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Rainha Elizabeth é obrigada pelos médicos a parar de beber

Cotidiano

18 de outubro de 2021 11:55

Da Redação


Relacionadas

MDB lança pré-candidatura de Simone Tebet para presidência

TSE cassa mandato de Evandro Roman, deputado do Paraná

João de Deus é condenado a 44 anos de prisão por estupros

Rede estadual abre matrículas para o próximo ano
Lojas MM garante descontos exclusivos na Black Friday
Após dois dias desaparecido, MC Black é achado morto
Média de ocupação de leitos de UTI Covid é a menor no PR
As doses alcoólicas da rainha estão com dias contados, se depender dos médicos reais. A monarca britânica bebia diariamente Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

As doses alcoólicas da rainha estão com dias contados, se depender dos médicos reais. A monarca britânica bebia diariamente


A rainha Elizabeth II não tem um dia de paz! Diante de tantos escândalos em torno dos integrantes da dinastia Windsor, a matriarca da família real precisa de alguns meios para lidar com a enxurrada de polêmicas relacionadas a filhos, netos e noras. Segundo fontes, a monarca costuma recorrer aos drinques, capazes de ajudá-la a encarar os problemas. Entretanto, as doses alcoólicas estão com dias contados, se depender dos médicos reais.

De acordo com um amigo da soberana, Elizabeth foi “ordenada a parar de beber”. Ícone de longevidade, a rainha tem 95 anos. Na terça-feira (12/10), ela apareceu em um evento usando uma bengala, o que preocupou os súditos. Diante do burburinho, um porta-voz do Palácio de Buckingham afirmou que a monarca usou o acessório por “conforto”, e não por “motivo médico”.

Um amigo da família real disse à especialista Katie Nicholl que Elizabeth foi aconselhada a “abdicar” do consumo de álcool. Os médicos permitiram a ingestão apenas em ocasiões especiais. “Não é realmente um grande problema para ela. Ela não bebe muito, mas parece um pouco injusto que, nesta fase de sua vida, ela tenha de desistir de um dos poucos prazeres”, ressaltou a expert da Coroa britânica à revista Vanity Fair.

Com a ordem dos médicos, a rainha terá de dizer adeus ao drinque noturno queridinho, no caso, o martíni. Embora raramente flagrem a soberana bebendo em público, ocorre o contrário no Palácio de Buckingham. Informantes já revelaram que ela também aprecia tomar uma taça de vinho doce no jantar. “O álcool acabou. Os médicos querem ter certeza de que ela está o mais saudável possível e em forma”, confessou uma segunda fonte à Katie Nicholl.

Segundo o Business Insider, Elizabeth costumava tomar diariamente um golinho da bebida predileta antes do almoço. Ela requisitava um drinque que misturava gim e Dubonnet (aperitivo à base de vinho) com uma rodela de limão, além de muito gelo. Após a refeição, era a hora de beber o dry martini. A rotina alcoólica da monarca não para por aí. À noite, a rainha consumia uma taça de champanhe, a fim de dormir tranquilamente.

Com o pedido dos médicos, a rainha terá de ficar só no chá britânico, brincaram os experts em assuntos da monarquia. Os especialistas em saúde passaram a fazer orientações à Elizabeth a fim de que a monarca esteja bem nas celebrações do Jubileu de Platina no próximo ano. A soberana irá comemorar os 70 anos no comando do trono britânico. O evento terá uma programação intensa entre os dias 2 e 5 de junho.


Com informações do Metrópoles

PUBLICIDADE

Recomendados