PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Ataque durante culto islâmico mata sete pessoas

Cotidiano

22 de outubro de 2021 08:40

Da Redação


Relacionadas

Thais Borges exalta os legados deixados pela concessão

Caminhos do Paraná irá manter serviços na região

Serviços sobre IPVA podem ser solicitados pela internet

Rottas conquista Prêmio Incorporador do Ano de 2021
Safra de grãos no PR pode chegar a 25,61 mi de toneladas
Polícia revela causa da morte de Marília Mendonça
Vendedor se passa por mulher e joga óleo quente em jovem
Pelo menos sete pessoas morreram nesta sexta-feira (22) Foto: Ocha/Anthony Burke/ONU
PUBLICIDADE

Tiroteio ocorreu num campo de refugiados em Bangladesh

Pelo menos sete pessoas morreram nesta sexta-feira (22), durante ataque a uma área de culto islâmico num campo de refugiados de Rohingya (minoria muçulmana apátrida de Myanmar), em Bangladesh, informou a polícia. Algumas pessoas foram mortas a tiro, outras esfaqueadas, disse um chefe de polícia regional. As mortes ocorrem no momento em que a tensão aumenta após o homicídio de um líder Rohingya em um dos campos, há três semanas.

No campo de refugiados de Balukhali, na fronteira com Myanmar, os agressores dispararam contra algumas pessoas e esfaquearam outras, disseram as autoridades.

Quatro pessoas morreram instantaneamente e três acabaram por morrer no hospital do campo de Balukhali. A polícia não confirmou quantas pessoas tinham ficado feridas.

"Prendemos um agressor imediatamente após o incidente", declarou Shihab Kaisar Khan, chefe da polícia.

O suspeito foi encontrado com uma arma, seis cartuchos de munição e uma faca, acrescentou.

Esses campos fronteiriços abrigam mais de 900 mil refugiados da minoria Rohingya, que fugiram da violência de Myanmar.

Muitos ativistas Rohingya esconderam-se desde a morte do defensor dos direitos humanos Mohib Ullah.

Alguns ativistas culparam o Exército de Salvação Arakan Rohingya (Arsa) pela morte. Arsa é o grupo militante por trás dos ataques às forças de segurança de Myanmar em 2017, que desencadearam uma repressão militar e um êxodo em massa para Bangladesh de 740 mil pessoas da minoria Rohingya.

O grupo armado negou as acusações.  Ativistas dizem que há um "clima de medo" crescente nos campos. A polícia informou que a segurança foi reforçada enquanto são investigadas as causas do tiroteio.

Informações Agência Brasil

PUBLICIDADE

Recomendados