PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Promotor e advogado discutem e fazem confusão em júri no PR

Cotidiano

22 de outubro de 2021 11:11

Igor Rosa


Relacionadas

Homem mais alto do Brasil faz cirurgia para amputar perna

Jovem foi obrigada a abrir própria cova antes de morrer

Variante ômicron do coronavírus chega ao Sul do Brasil

Homem com faca faz filho de 14 anos refém no PR
Cooperativismo do PR projeta faturar R$ 150 bi em 2021
Governo vai impor parâmetros de financiamentos para IES
Ônibus com mais de 20 pessoas pega fogo e fica destruído
PUBLICIDADE

"Eu estou cagando se o senhor está se ofendendo", esbravejou o promotor.

A atuação do promotor de Justiça João Milton Salles no Tribunal do Júri de Curitiba nesta terça-feira (19/10) acabou viralizando nas redes sociais e circulando em grupos de WhatsApp de advogados.

Ao fazer a sustentação oral em um caso de homicídio qualificado, o membro do Ministério Público não gostou de ser questionado pelo advogado Luis Gustavo Janiszewski sobre comentários que ele fez a respeito de uma advogada que participou do caso.

"Doutor. Só para entender. Agora o senhor vai falar mal dos profissionais e da defesa como um todo?", questionou o advogado, acrescentando que estava começando a ficar ofendido.

O promotor então se exaltou: "Eu estou cagando se o senhor está se ofendendo", esbravejou. O advogado comentou sobre as expressões usadas pelo promotor, que respondeu que aquele era mesmo o seu palavreado.

"Nesse papel de promotor e eu falo a língua dos destratados desses direitos individuais indisponíveis. E sou promotor há 24 anos e se eu falo um palavrão aqui... Tirando essa beca aqui eu uso a mesma roupa na rua. Dizer que a função do advogado é defender o cliente não é falar mal. É o que eu aprendi na faculdade", disse.

O advogado disse que ele poderia ser mais ético e não ficar tentando jogar todos os jurados contra todos os advogados já que existem muitos promotores que andam precisando de advogados.

Por fim, o promotor discorreu sobre o princípio da ampla defesa e disse que a defesa tem um limite e defendeu a inclusão do crime de perjúrio em nosso ordenamento legal. "Isso é um entendimento tupiniquim do princípio da ampla defesa", resumiu.  O réu foi absolvido.

Com informações da ConJur.

PUBLICIDADE

Recomendados