PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Chinês é banido de 'coma à vontade' por alto consumo

Cotidiano

25 de novembro de 2021 11:16

Da Redação


Relacionadas

Governo do Paraná apresenta Nova Ferroeste a empresários

Condutor fica preso às ferragens em colisão na PR-092

Jovem é algemado a moto de PM e arrastado em SP

Proprietários de carros utilizam Nota Paraná para pagar IPVA
São Paulo registra terceiro caso da variante Ômicron
Criança é internada com suspeita de envenenamento
Homem diz ter HIV e ameaça vítima de furto com seringa
Entrevistado em reportagem, o dono afirmou perder "centenas de yuans" a cada visita do rapaz Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Entrevistado em reportagem, o dono afirmou perder "centenas de yuans" a cada visita do rapaz


Um influenciador digital chinês foi convidado a se retirar de um restaurante de grelhados após desagradar os donos ao comer demais na modalidade "coma à vontade". Conhecido popularmente como Sr. Kang, ele foi proibido de retornar ao Handadi Seafood BBQ Buffet, na cidade de Changsha, na China.

Pagando um valor único, o rapaz afirma que a comilança foi classificada como "abuso" pelos proprietários, tanto pelo consumo de alimentos quanto pelo número de bebidas inclusas no serviço. Para âmbito de compreensão, ele contabilizou ter comido 1,5 kg de carne de porco em uma visita e mais 3,5 kg de camarões na segunda passagem.

O Sr. Kang acrescentou que está sendo discriminado por não poder acessar o serviço, compreendendo que realmente "come demais", mas ressaltou que não pratica o desperdício e estava nos seus direitos. Entrevistado pela mesma reportagem da emissora chinesa Hunan TV, o dono do estabelecimento explicou o motivo do banimento, justificando como prejuízo.

"Cada vez que ele vem aqui, eu perco algumas centenas de yuans; quando ele pede leite de soja, ele bebe entre 20 e 30 garrafas. Quando ele come os pés de porco, ele consome a bandeja inteira. E para os camarões, geralmente as pessoas usam pinças para pegá-los, ele usa uma bandeja para se servir”, afirmou.


Informações do UOL

PUBLICIDADE

Recomendados