PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Cinco crianças morrem após comerem macarrão instantâneo

Cotidiano

29 de novembro de 2021 14:42

Da Redação


Relacionadas

Serviço jurídico gratuito na Alep já atende mais de 280 pessoas

Exportações do agronegócio paranaense crescem 13,9%

Sensação térmica chega perto dos 50ºC no RJ

Lei do PR garante inclusão de nome do cônjuge em fatura
Ômicron faz 17 mil paranaenses buscarem 1ª dose da vacina
Pacientes de hospital de MG são mortos a tiros após invasão
Menino morre após levar coice de égua em Santa Catarina
Eles consumiram o alimento antes de irem à escola e morreram com uma hora de diferença Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Eles consumiram o alimento antes de irem à escola e morreram com uma hora de diferença


Cinco crianças morreram após comerem macarrão instantâneo na África do Sul, no mês de novembro. Duas das vítimas eram os irmãos Keamogetswe Makofane, de 13 anos, e Thato Makofane, de nove. Eles consumiram o alimento antes de irem à escola e morreram com uma hora de diferença no domingo (14) em Mpumalanga.

A avó dos dois irmãos, Winnie Makofane, relatou que os netos saíram de casa para pegar o ônibus da escola. Poucos minutos depois, Keamogetswe correu de volta para casa e avisou que a irmã havia desmaiado. O tio das crianças, Mpho Chosen Makofane, foi notificado imediatamente para ajudá-los. “Estamos quebrados como família porque nunca pensamos que algo assim aconteceria”, desabafou Mpho Chosen Makofane.

A polícia está investigando as circunstâncias do caso. Segundo o porta-voz da polícia Busisiwe Mthethwa, os resultados da autópsia ainda estão pendentes. Mpho Chosen Makofane contou que a família revelará a marca do macarrão quando os resultados estiverem disponíveis.


Outras mortes

Outro caso semelhante aconteceu com Sinothando Ngwendu, de 11 anos, Olwam Ngwendu, de 7 e Athenkosi Ngwendu, de 4 meses, que também morreram após ingerirem macarrão instantâneo, comprado em uma loja de conveniência durante uma visita à casa dos avós no Cabo Oriental, semanas antes do ocorrido em Mpumalanga. As investigações continuam.


Informações do RIC Mais

PUBLICIDADE

Recomendados